Fapesc destina recursos para ampliar liderança feminina em startups

Edição: Felipe Silveira
Foto e informações: Governo de SC

Um levantamento da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) concluiu que, entre as empresas que participam dos programas de fomento, apenas 25% são lideradas por mulheres. Para mudar esse panorama, a fundação lançou neste 8 de março o programa “Mulheres+Tec”, que vai destinar R$ 1,4 milhão para dar suporte a 24 startups catarinenses. A intenção é ampliar a participação de mulheres no mercado tecnológico e reforçar o papel de lideranças femininas como fundadoras e gestoras de startups.

“Identificamos maior prevalência de homens na inovação e um equilíbrio em outras áreas, como bolsas e pesquisa. Dessa forma, criamos algumas estratégias e uma delas é este edital. Estamos com uma ótima expectativa” , explicou Fábio Zabot Holthausen, presidente da fundação ligada ao governo de SC.

Cada empreendedora aprovada no edital receberá R$ 60 mil para investir em sua startup, além de capacitação realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do estado. Serão contempladas quatro empresas de cada região (Norte, Vale do Itajaí, Sul, Grande Florianópolis, Serra e Oeste). Os recursos poderão ser usados para aquisição de equipamentos, materiais, serviços, consultoria e até contratação de bolsistas.

Se apenas uma em cada quatro empresas que pedem fomento da Fapesc são lideradas por mulheres, o contexto nacional é ainda mais desafiador. Segundo Tatiana Takimoto, uma das coordenadoras do Programa Mulheres+Tec, apenas 7% das startups têm mulheres como gestoras. “Por isso é muito importante a gente ter um novo edital exclusivo para mulheres porque isso abre oportunidades”, defende.

“As mulheres são muito questionadas a respeito da maternidade, se terão condições de acelerar seus negócios e isso as impede de entrar no mercado e receber investimento”, pontuou a coordenadora.

Para concorrer aos recursos e às capacitações do Programa Mulheres+Tec, é preciso fazer as inscrições até 8 de abril na plataforma da Fapesc.

Experiência de sucesso

Em Santa Catarina, a Fapesc tem sido uma parceira das empreendedoras e incentivado a aceleração de suas startups. É o caso de Ana Paula Leite (foto no topo), de Florianópolis, que desenvolveu a Mingoo, uma plataforma para turismo guiado por áudio. Ela submeteu a ideia ao Programa Nascer, desenvolvido pela Fapesc em parceria com o Sebrae. Depois de aperfeiçoar o projeto e ter um plano de negócios, participou do Inovatur II, também realizado pela fundação junto com a Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa Catarina (Santur).

“O Nascer me deu o apoio de fazer o plano de negócio, de entender aquela ideia. E o Inovatur está me dando toda mentoria e todo apoio para seguir com essa ideia e a verba também. A verba é o que possibilitou fazer a plataforma, que entra no ar daqui duas semanas”, destacou.

Somente com ajuda desses dois programas foi possível entrar nesse mercado e ter toda a orientação necessária para poder empreender e buscar investimento. “A tecnologia é um ambiente mais masculino. Desde que a gente nasce, é enraizado isso na gente. Mas isso não quer dizer que não pode mudar. E esses programas, como o Nascer e o Inovatur, ajudam muito isso.”, defende.