VISÃO PANORÂMICA — Bandeira fascista na CVJ, 1 milhão de vacinas e outros temas

Por Felipe Silveira

Todos os dias, cinco ou mais notas sobre a política de Joinville e/ou de Santa Catarina. Veja os destaques desta segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022:

Sargento Lima e a bandeira fascista

A Comissão de Saúde da câmara de Joinville realiza, nesta segunda-feira (7), uma audiência pública para discutir um projeto antivacina de Wilian Tonezi (Patriota). Já era esperado que o encontro fosse tomado por reacionários, mas surpreende a falta de vergonha de alguns. Um deles levou um dos principais símbolos fascistas da atualidade, a bandeira de Gadsden, ao legislativo joinvilense. Distraído ou não, o deputado estadual Sargento Lima (PL), aliado de Tonezi, se deixou fotografar ao lado da bandeira.

Militante antivacina exibe bandeira de Gadsden ao lado do deputado estadual Sargento Lima (PL) – Foto cedida por Alex Sander Magdyel

A bandeira de Gadsden nasceu como símbolo anticolonialista na guerra pela independência americana, mas foi apropriada pelos principais movimentos fascistas, como os supremacistas brancos americanos. Com frequência é avistada em marchas de extrema-direita, como a tentativa golpista de invasão ao Capitólio (congresso americano) e a marcha racista de Charlottesville. No Brasil, claro, tem sido usada pelo bolsonarismo.

Para quem quiser entender melhor o significado da bandeira e como o símbolo se transformou ao longo do tempo, recomendo abaixo o vídeo do Meteoro Brasil:

1 milhão

Apesar dos esforços de arruaceiros antivacina, a cultura vacinal brasileira é bastante sólida e o povo se vacina com alegria. Assim, mesmo com seu perfil relativamente conservador, Joinville chegou à marca de 1 milhão de vacinas aplicadas no último sábado (5). Até a data, haviam sido administradas 460,6 mil primeiras doses, 433,7 mil segundas doses e 106 mil doses de reforço. Joinville tem 604 mil pessoas, segundo a última estimativa do IBGE.

Se não fosse o atraso proposital na compra, decisão de um dos maiores antivacina do mundo, muita gente poderia ter sido salva. Aliás, o cientista político Celso Rocha de Barros explicou, na Folha, porque Jair Bolsonaro segue atacando a vacina. No dia que ele mudar de postura, praticamente assinará a confissão de que matou gente com suas políticas contrárias à vacina, entre outras na pandemia, como os estímulos à aglomeração.

Esse tipo de arruaça antivacina, como a de Bolsonaro no Planalto e de Tonezi em Joinville, ainda causa muito sofrimento. Apesar de pouco no contexto mais amplo, é alto o número de pessoas que deixou de se vacinar por causa de uma política estúpida. Cabe ao governo do estado, à prefeitura, aos legislativos, ao judiciário e à sociedade insistir, com boa informação e estratégia, para vacinar aqueles que ficaram para trás. Temos que cobrar políticas públicas nessa direção.

Ampliação e reforço

A prefeitura escolheu duas unidades na zona sul para realizar a solenidade de volta às aulas. A Escola Municipal Amador Aguiar e Centro de Educação Infantil Maria Laura Cardoso Eleotério, no bairro Ulysses Guimarães, receberam a visita do prefeito Adriano Silva, da vice-prefeita Rejane Gambin e do secretário de Educação, Diego Calegari.

Segundo a diretora Angela Rosa de Lima, foi a primeira vez, nos 22 anos da escola, que um prefeito participou da recepção no primeiro dia de aula. “Com certeza, os pais e professores sentiram-se muito valorizados com este momento”, disse.

Em Joinville, 71,8 mil alunos da rede municipal iniciaram o ano letivo em 88 escolas e nos 74 CEIs. Um dos focos da prefeitura para o ano é a recuperação dos prejuízos de aprendizagem na pandemia. Cerca de 300 professores foram contratados para que sejam realizadas ações de reforço, com atendimento em aula e em formato de contraturno. Ainda de acordo com o governo municipal, a capacidade de atendimento na rede municipal aumentou em 1.015 vagas em relação ao ano passado, após reformulações e abertura de novas turmas em algumas unidades.

Tempo de decisão

O PSB de Joinville realiza, no sábado (12), seu congresso municipal. O partido, que vive nova fase e busca protagonismo na centro-esquerda, vai eleger a comissão municipal e delegados para o congresso estadual. Entre os organizadores do encontro, que será realizado no bairro Aventureiro, está o ex-vereador João Rinaldi. O atual presidente da sigla é o advogado e ex-vice-prefeito Rodrigo Bornholdt.

As posições de Joinville serão tiradas no encontro e levadas ao congresso estadual, que tem muita coisa para decidir. Dias atrás o partido tinha dois pré-candidatos de peso e um provável apoio da frente da esquerda. Agora, Dário Berger pode ficar no MDB e Jorge Boeira revelou um recuo à jornalista Maga Stopassoli. “A conjuntura tem mudado e a filiação está sendo reavaliada por mim e pelo PSB”, disse.

Manutenção

Entre os dias 8 e 15 de fevereiro, a UBSF Jardim Paraíso V e VI (é uma unidade só) estará fechada para manutenção da rede elétrica. A equipe de profissionais e o atendimento dos pacientes que pertencem a essa unidade serão direcionados, neste período, para a UBSF Jardim Paraíso I e II, que também está localizada na Avenida Júpiter, ao lado da Escola Municipal Dr. Hans Dieter Schmidt.