VISÃO PANORÂMICA — Distribuição desigual, rejeição na base e outros tópicos

Por Felipe Silveira

Todos os dias, cinco ou mais notas sobre a política de Joinville e/ou de Santa Catarina. Veja os destaques desta quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022:

Desigual

Joinville assinou convênio com o governo do estado nesta quinta-feira (3) e deve receber R$ 604 milhões de recursos para obras nos próximos anos. A prefeitura adiantou o que deve fazer com o dinheiro e mais uma vez a zona sul de Joinville foi preterida na distribuição. A maior parte dos recursos tende a ficar na região centro/norte.

Entre as obras na região mais rica da cidade estão a construção de elevado no Eixo Industrial Norte, sobre a rua Dona Francisca; duplicações da Almirante Jaceguay, Santos Dumont e Dona Franscisca; e implementação do Eixo K (uma via que vai beneficiar diretamente o Perini Business Park).

Parte da zona sul será agraciada com a construção de pontes, como as das ruas Plácido Olímpio de Oliveira, Nacar e Anêmonas, e com a requalificação de vias, como as avenidas Paulo Schroeder, São Paulo, Urussanga, Santa Catarina e Waldomiro José Borges.

Ainda é cedo para saber detalhes das obras, pois a prefeitura não divulgou os projetos, mas já é possível notar uma diferença no orçamento. As obras anunciadas para a região norte são mais complexas (e consequentemente mais caras) do que as anunciadas para a zona sul.

Novo CEI

Nesta sexta-feira (4), às 10 horas, a prefeitura inaugura o Centro de Educação Infantil Gustavo Zietz, no bairro Rio Bonito. A unidade irá atender crianças de 4 meses a 3 anos, com turmas de berçário e maternal, com opção de turnos matutino, vespertino e integral. O CEI passará a funcionar no imóvel da antiga Escola Municipal Estrada Palmeiras, que estava desativada, e foi totalmente revitalizada.

Cobrança

Em mensagem ao jornal O Mirante, o presidente do PSOL Joinville, Guilherme Luiz, cobrou uma reação mais firme dos cidadãos e uma resposta mais contundente dos parlamentares ao que chamou de “sistemáticos desserviços” de Wilian Tonezi (Patriota) à comunidade joinvilense. “É uma lástima que um parlamentar confunda liberdade de expressão com liberdade de desinformação”, escreveu. Ele ainda ressaltou que é preciso estimular a vacina para que possamos logo superar a pandemia. “Mentiras e falácias contra os imunizantes só interessam aos aliados do vírus”, concluiu.

A fala de Guilherme corrobora a visão deste colunista, que trata Tonezi como um troll na questão da vacina. Uma coisa são as devidas divergências do processo democrático, visões diferentes sobre o tamanho do Estado, sobre políticas públicas ou sobre reformas estruturais. Outra, totalmente diferente, é a sacanagem com a vida das pessoas, estimulando que não se vacinem e as aproximando da morte. A sociedade precisa ser mais contundente na defesa da vida.

Rejeição

Quem circula pela base do MDB no norte de SC nota uma rejeição muito forte à possibilidade de o partido ter o governador Carlos Moisés como candidato. A sigla, especialmente os deputados, está de braços abertos para o governador, que ainda não se decidiu. Ou não revela o que decidiu. A tendência é que a base, bastante contaminada pelo bolsonarismo, que vê Moisés como um traidor, reclame.

Ônibus

Na tribuna da câmara, na quarta-feira (2), Sidney Sabel (DEM) cobrou o retorno de linhas de ônibus que foram suprimidas por conta da pandemia. Argumentou que o comércio já voltou a trabalhar normalmente e muitos trabalhadores das regiões mais distantes do centro perderam o emprego pela falta de transporte.