Moacir Sopelsa é o novo presidente da Alesc

Edição: Felipe Silveira
Foto: Jeferson Baldo/Alesc
Informações: Alesc

Como resultado de um acordo interno do MDB, com anuência dos demais partidos, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) tem nova presidência. O deputado Moacir Sopelsa (MDB) foi eleito por unanimidade na tarde de quarta-feira (2) para o mandato que vai até o final deste ano. O parlamentar é o 51º presidente da Alesc na era republicana.

Com nove parlamentares, o MDB tem margem para definir muitas coisas no parlamento, mas isso nem sempre era possível por causa das divisões internas da sigla. Foi nesse contexto que eles chegaram a um acordo para dividir a presidência do legislativo estadual no biênio 2021-2022. Assim, Mauro de Nadal (MDB) ficou com o primeiro ano e Sopelsa com o segundo.

O acordo envolveu outros partidos, o que também resultou em mudanças na vice-presidência. O deputado Nilso Berlanda (PL) renunciou à 1ª Vice-Presidência da Alesc e para o seu lugar foi eleito o deputado Mauricio Eskudlark (PL).

A eleição ocorreu na primeira sessão ordinária do ano, a partir das renúncias de Nadal e Berlanda. Assim que anunciadas, o deputado Ricardo Alba (PSL), 1º secretário da Assembleia, declarou vagos os cargos de presidente e 1º vice-presidente. Na sequência, o deputado Kennedy Nunes (PTB), 2º vice-presidente, convocou sessão preparatória para a eleição do novo presidente, que foi comandada pelo deputado Romildo Titon (MDB), o mais idoso com maior número de mandatos de deputado estadual, como determina o Regimento Interno da Assembleia.

Sopelsa foi eleito por unanimidade entre os 38 deputados presentes. Fabiano da Luz e Luciane Carminatti, ambos do PT, não compareceram à sessão.

O presidente eleito recebeu os cumprimentos dos parlamentares, como o deputado Neodi Saretta (PT), adversário político de Sopelsa em Concórdia. “Como conterrâneo, vejo com alegria sua candidatura. Estivemos em trincheiras políticas opostas, mas em todos esses anos aprendi a admirar e respeitar o deputado, que jamais ultrapassou os limites da civilidade e da cordialidade numa disputa política. Como concordiense, me sinto contemplado com a sua presidência”, afirmou Saretta.