Vereador diz que linguagem neutra pode causar “mudanças comportamentais indesejáveis”

Texto: Felipe Silveira
Foto: Mauro Artur Schlieck/CVJ
Informações: Jornalismo da CVJ

A Comissão de Educação da Câmara de Joinville aprovou parecer favorável ao Projeto de Lei Ordinária 120/2021, do vereador Wilian Tonezi (Patriota), que propõe proibir o “uso de linguagem estranha à língua portuguesa”, como a utilização de pronomes neutros, em textos oficiais publicados pela administração pública municipal.

Radical de extrema-direita e adepto da guerra cultural bolsonarista, Tonezi escreveu na justificativa que “o uso de tal gênero pode gerar estímulos mentais contraditórios, confusos e consequentes mudanças comportamentais indesejáveis” e que “tudo indica que não há outra finalidade a não ser a de ordem ideológica”.

O projeto recebeu parecer favorável do relator Brandel Júnior (Podemos) e voto a favor de Neto Petters (Novo). O voto contrário foi da vereadora Ana Lúcia Martins (PT).

Ela comentou que o assunto foi pouco discutido na CVJ e que a comissão deveria conversar com integrantes do movimento LGBTQIA+, que são os principais afetados, além de professores e representantes do Conselho Municipal de Educação. A parlamentar quis deixar claro que seu voto não é pela mudança na forma culta da língua portuguesa, mas pela não proibição do uso.

Tonezi, que participou da reunião da comissão em que o parecer foi votado, disse que não há necessidade de convidar tais pessoas para o debate, uma vez que o projeto agirá apenas no âmbito da administração pública municipal, e não afeta o campo da educação, embora tenha utilizado o contexto educacional na justificativa. Com os pareceres favoráveis em Legislação e Educação, o PLO 120/2021 aguarda inclusão na ordem do dia para votação pelo plenário.