Cassiano aponta risco para a saúde em subestação da Celesc no bairro Boa Vista

Edição: Felipe Silveira
Foto: Redes sociais
Informações: Assessoria de Cassiano Ucker

O vereador Cassiano Ucker (Cidadania) fez um pedido de informação à prefeitura de Joinville com relação a instalação da nova subestação da Celesc no bairro Boa Vista. O objetivo do pedido é ter acesso aos estudos de impacto de vizinhança apresentados pela Celesc à Prefeitura com relação a essa obra. Isso porque o vereador, e os moradores da região, estão preocupados com os efeitos do campo magnético da subestação de energia.

O parlamentar recebeu um grupo de moradores na semana passada, que mostrou insatisfação com os procedimentos adotados pela Celesc. Eles reclamam que não foram ouvidos e pedem uma segunda audiência pública.

No site da Celesc há o registro de uma chamada para audiência pública realizada em dezembro do ano passado, apenas online (por causa da pandemia), que falava apenas da instalação de uma linha de transmissão, sem mencionar o termo “subestação” no texto.

Já no dia 26 de abril deste ano foi realizada uma apresentação, pelo presidente da Celesc, Cleicio Poleto Martins, sobre a subestação na Associação Empresarial de Joinville (Acij). Não se tratava, portanto, de uma audiência pública com a população, mas de uma apresentação para empresários.

Segundo o vereador, estudos do Instituto Nacional de Câncer (INCA), vinculado ao Ministério da Saúde, e da World Health Organization apontam que a radiação não ionizante (também denominada de campo eletromagnético, oriunda da rede elétrica, bem como aparelhos eletrônicos) podem causar sérios prejuízos à saúde. “As evidências sugerem que a exposição crônica à radiação não ionizante de baixa frequência e fontes de campos eletromagnéticos de frequência extremamente baixa pode aumentar o risco de câncer em crianças e adultos”, aponta o estudo, em trecho destacado pelo parlamentar.

“A preocupação da população e o apelo para que se busque outra alternativa de terreno tem fundamento, principalmente porque a exposição prolongada de crianças pode trazer um aumento de casos de neoplasia (câncer), já que a nova subestação fica ao lado de uma escola”, enfatizou o vereador.