Coelho e Armando votam contra convocação de Paulo Guedes à Câmara

Texto: Felipe Silveira
Foto: Divulgação
Informações: Câmara dos Deputados

Em uma das poucas vezes que a bancada catarinense apresentou uma divisão diferente do que 15 contra 1, a Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (6), a convocação do ministro da economia, Paulo Guedes, ao plenário para dar explicações sobre sua offshore em um paraíso fiscal, escândalo revelado pelos Pandora Papers. Foram 310 votos contra 142 no total, sendo que oito catarinenses votaram contra, incluindo os joinvilenses Rodrigo Coelho (Podemos) e Coronel Armando (PSL). Darci de Matos (PSD) votou a favor da convocação.

Paulo Guedes é sócio de uma empresa no exterior com patrimônio de 9,55 milhões de dólares (cerca de 51 milhões de reais na cotação atual). Como o ministro da economia tem influência sobre a cotação da moeda, há evidente conflito de interesse na manutenção da empresa em paraíso fiscal. A violação ética está prevista no Código de Conduta da Alta Administração Federal. Em sua defesa, Paulo Guedes diz que a empresa é gerenciada por operadores independentes.

As informações sobre a offshore de Guedes foram obtidas pelo projeto Pandora Papers, do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ – sigla em inglês). O vazamento também apontou uma empresa no exterior em nome do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. O empresário e influenciador bolsonarista Luciano Hang também foi mencionado em reportagens relacionadas ao vazamento. Ele manteve uma empresa em paraíso fiscal sem declarar à Receita Federal, conforme determina a lei, por 17 anos.

Duas comissões da Câmara já haviam aprovado a convocação de Guedes: do Trabalho, Administração e Serviço Público; e de Fiscalização Financeira e Controle. A sessão para ouvir Guedes ainda não tem data marcada, mas poderá ser realizada na próxima semana.

Para o líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), o parlamento brasileiro tem o direito e o dever de cobrar explicações do ministro da economia. “Nós queremos saber por que ele mantém os recursos pessoais em moeda estrangeira, em dólar, enquanto a economia do País afunda”, disse.

Votos catarinenses

Votou NÃO

Caroline de Toni (PSL)
Coronel Armando (PSL)
Daniel Freitas (PSL)
Geovania de Sá (PSDB)
Gilson Marques (Novo)
Ricardo Guidi (PSD)
Rodrigo Coelho (Podemos)
Rogério Peninha (MDB)

Votou SIM

Angela Amin (PP)
Carlos Chiodini (MDB)
Carmen Zanotto (Cidadania)
Celso Maldaner (MDB)
Darci de Matos (PSD)
Hélio Costa (Republicanos)
Pedro Uczai (PT)

Não votou

Fabio Schiochet (PSL)