São José é o primeiro hospital público brasileiro a receber certificação internacional para atendimento de AVC

Edição: Felipe Silveira
Foto e informações: Prefeitura

O serviço de AVC do Hospital Municipal São José de Joinville recebeu o certificado de qualidade de atendimento da organização internacional World Stroke Organization. Administrado pelo município, o São José é o primeiro hospital público brasileiro a receber a certificação.

“Com esse reconhecimento, o paciente do Hospital São José tem a garantia de que recebe um tratamento de primeira linha, com as melhores práticas médicas no atendimento do AVC, com evidência científica”, afirmou o médico Alexandre Luiz Longo, coordenador da neurologia do Hospital São José.

Uma equipe de neurologistas e enfermeiros, especialistas em AVC, esteve em Joinville em agosto para conhecer o trabalho desenvolvido no hospital. Foi uma espécie de auditoria, em que avaliaram toda a linha de cuidado, onde o paciente fica internado, prontuários, normas, equipamentos, protocolos de atendimento, pessoal necessário e check list da alta do paciente.

São diversos os procedimentos que envolvem o atendimento em AVC. Além de médicos e enfermeiros, há o trabalho de outros profissionais, como fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos e assistentes sociais, que compõem a equipe multidisciplinar.

Números comprovam evolução

Desde que foi iniciado pela prefeitura de Joinville, na década de 1990, o programa público de tratamento de AVC de Joinville (Joinvasc) conquistou importantes resultados com a prevenção e tratamento da doença e conseguiu reduzir 37% a incidência de casos. Hoje, o Hospital São José atende a mais de 80% dos pacientes que sofrem AVC em Joinville.

De acordo com números do Joinvasc, na década de 1990, de cem pacientes que sofriam um AVC, 26% vinham a óbito após um mês do evento. Em 2005, esse número caiu para 21%; em 2010, para 15,5% e, atualmente, o índice de mortalidade por AVC é de 11,1%.

“Esse processo de certificação é contínuo. Agora temos a responsabilidade de manter e melhorar ainda mais essa qualidade de atendimento”, reforçou o neurologista.