Governo de SC lança programa de bolsas para combater a evasão escolar

Edição: Felipe Silveira
Foto e informações: Governo de SC

O governador Carlos Moisés anunciou, na segunda-feira (20), a criação do programa Bolsa Estudante, com o objetivo de combater a evasão escolar. O estado vai investir R$ 375 milhões por ano para garantir auxílio financeiro aos alunos do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) matriculados na rede estadual de ensino. O programa será instituído por Projeto de Lei (PL) que será encaminhado à Assembleia Legislativa.

“A educação é uma prioridade e todo esforço deve ser feito pelo estado para evitar a evasão escolar, um dos reflexos negativos da pandemia. Queremos manter ou trazer de volta à sala de aula aquele aluno que, eventualmente, precisou abandonar o estudo para ajudar financeiramente a família em um momento de dificuldade”, destacou o governador.

Caso aprovado, o Bolsa Estudante deve conceder um auxílio anual de R$ 6.250 para até 60 mil estudantes da rede estadual de Santa Catarina. O valor será dividido em 11 pagamentos mensais de R$ 568, entre fevereiro e dezembro. Poderão ser contemplados os estudantes cujas famílias tenham renda total igual ou inferior a quatro salários mínimos, ou até meio salário mínimo por integrante.

A inscrição e seleção dos alunos para o programa Bolsa Estudante será feita por editais públicos lançados pela SED anualmente. Os editais também vão detalhar outros critérios relacionados à frequência escolar dos estudantes que precisam ser cumpridos. Os pagamentos serão realizados por meio de depósitos bancários na conta do aluno ou seu responsável legal.

Busca ativa

A principal ação em andamento para enfrentar a evasão escolar é a busca ativa dos alunos que deixaram de frequentar a escola. A partir de um questionário online, a gestão de cada unidade entra em contato com os alunos e familiares para reforçar a importância de manter o vínculo com a escola e entender o motivo para o não cumprimento das atividades. Esses contatos são feitos normalmente via e-mail, telefone, mensagens de WhatsApp ou videoconferências com os pais ou responsáveis pelo estudante. O processo é realizado com a articulação entre as escolas estaduais e a rede de proteção dos municípios, formada pelos serviços de assistência social (CRAS), saúde (CAPS, CAPSi, NASF), Conselho Tutelar e outros órgãos.