Arrecadação catarinense bate recorde em agosto

Em agosto, a arrecadação total catarinense chegou a R$ 3,6 bilhões. Segundo a Secretaria de Estado da Fazenda (SEF), trata-se de um recorde histórico. Em comparação com o mês anterior, o crescimento foi de 17,5%. Em comparação com agosto de 2020, a arrecadação cresceu 44,4%. Os dados foram divulgados na quarta-feira (1), data em que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentou números da economia nacional.

Para a diretora de Administração Tributária (DIAT) da Fazenda, Lenai Michels, os bons números são reflexo de diversos fatores, como a recuperação econômica pós-pandemia, resiliência do setor produtivo e a adesão ao Programa Catarinense de Recuperação Fiscal de 2021 (Prefis-SC/2021). Somente com o Prefis deste ano foram arrecadados R$ 417 milhões.

Todos os segmentos econômicos analisados pelos Grupos Especialistas Setoriais (GES) registraram alta em agosto deste ano, em relação ao mesmo mês em 2020. Os que tiveram melhor desempenho foram têxtil; materiais de construção; automotivo e de autopeças; agronegócio; e de supermercados. “A economia está se equilibrando e expandindo em todos os segmentos. Nossa perspectiva é que neste segundo semestre, com o avanço da vacinação, tenhamos resultados ainda mais positivos”, declarou Lenai.

Os bons resultados do estado refletem também na geração de empregos. De janeiro a julho de 2021, Santa Catarina criou 139,4 mil novos postos de trabalho, terceiro melhor resultado do país, atrás de São Paulo e de Minas Gerais. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, divulgados na última semana.

Outro ponto positivo é a abertura de empresas. No acumulado de 2021, Santa Catarina conta com um saldo positivo de 87.457 novos negócios, alta de 41,80% em relação ao mesmo período em 2020, segundo análise da Junta Comercial de Santa Catarina (Jucesc), também apresentada no fim de agosto.

Queda nacional

Apesar do otimismo catarinense, a economia nacional apresentou queda de 0,1% no PIB do segundo trimestre de 2021. Foi a primeira baixa após três altas seguidas nas avaliações trimestrais. No primeiro trimestre, o crescimento foi de 1,2%. O PIB do ano passado foi de R$ 7,4 trilhões, o que representou 4,1% em relação ao ano anterior, resultado fortemente influenciado pela pandemia de coronavírus.

Texto: Felipe Silveira
Foto e informações: Governo de SC