Licitação do transporte público de Joinville está prevista para 2022

De acordo com o secretário municipal de infraestrutura, Jorge Luiz Correia de Sá, a primeira licitação do transporte público de Joinville será lançada no segundo semestre de 2022. A declaração foi feita na Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ), na segunda-feira (19), em reunião extraordinária da Comissão de Urbanismo sobre o tema, motivada a partir de reclamações de usuários do sistema.

O encontro, no plenário da CVJ, reuniu usuários do transporte, representantes das empresas que operam o sistema (Gidion e Transtusa) e da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra). Além de abrir espaço para reclamações sobre a execução do serviço do transporte, a reunião discutiu a possibilidade de realização de licitação.

A garantia de realização da licitação foi inicialmente verbalizada pelo vereador Neto Petters (Novo). O parlamentar ainda defendeu que a licitação possua um contrato “menos engessado” do que o atual modelo. Na sequência, o secretário de infraestrutura informou que o executivo já possui uma equipe estudando a licitação e previu o lançamento para o segundo semestre do ano que vem.

A licitação foi defendida pelo presidente de Urbanismo, Diego Machado (PSDB). Na opinião do vereador, o problema do transporte em Joinville “não é a ‘empresa A’ ou ‘empresa B’, é o modelo, é o contrato empregado na cidade”.

Morador do bairro Adhemar Garcia, Reinaldo Pscheidt Gonçalves pediu urgência na realização da licitação. Na avaliação dele, “não se pode esperar até 2023 porque o povo está sofrendo muito”. Pscheidt também cobrou maior transparência sobre como é feito o cálculo do valor da tarifa. Atualmente, a tarifa embarcada (passagem comprada dentro do ônibus) custa R$ 4,90 e a tarifa antecipada custa R$ 4,75.

Um modelo de transporte público, realizado por empresa pública de transporte, foi defendido pelo representante do Movimento Passe Livre (MPL), João Pedro. Segundo ele, esse modelo público permitiria abertura de linhas que não fossem lucrativas. Sobre a tarifa, João Pedro refletiu que “quanto mais aumenta tarifa, menos pessoas usam o serviço do transporte”.


Edição: Felipe Silveira
Foto: Mauro Artur Schlieck/CVJ
Informações: Divisão de Jornalismo da CVJ