Ex-governador Casildo Maldaner morre aos 79 anos

Morreu na noite de segunda-feira (17) o ex-governador Casildo João Maldaner. Um dos principais nomes da história do MDB em Santa Catarina, o político do oeste do estado atuou em quase todas as funções da vida pública — da câmara municipal até o senado, passando pelo governo na década de 1990. Um de seus traços mais marcantes era a personalidade carismática e bem-humorada.

Casildo Maldaner foi diagnosticado com câncer em 2018 e se recuperou bem, mas há algumas semanas descobriu que o linfoma havia voltado, iniciando novo tratamento. Na noite do último sábado (15), sentiu-se mal e foi internado, em Florianópolis. A morte foi confirmada durante a noite de segunda-feira, quase na madrugada de terça.

Natural de Carazinho (RS), Casildo mudou-se para Santa Catarina com a família ainda criança. Foi eleito vereador em Modelo, em 1962, e chegou à assembleia estadual em 1975. Em Brasília, onde viveu parte da vida, chegou em 1983. Em 1986, foi eleito vice-governador na chapa de Pedro Ivo Campos. Com a morte do ex-prefeito joinvilense em 1990, assumiu o comando do estado.

Depois da experiência no governo, foi eleito senador em 1995. Após este primeiro mandato, ficou na suplência de Raimundo Colombo (à época no DEM), eleito em 2006. Quando o político lageano renunciou para concorrer ao governo de SC, em 2010, Cassildo assumiu o mandato em 2011 e permaneceu no cargo até o final de 2014.

Não foi eleito novamente, mas continuou ativo na política estadual. Em nota de pesar, o MDB destacou que Maldaner foi um ativo conselheiro de grande parte das lideranças do MDB em Santa Catarina, com participação decisiva nas eleições do ex-governador Luiz Henrique da Silveira. “No MDB e na política catarinense, Casildo será lembrado como um político realizador, de diálogo fácil e principalmente conciliador”, registra a nota do partido.

Herdeiro político de Casildo, o irmão Celso Maldaner, atual presidente estadual do MDB,  falou sobre a perda. “É uma honra e um orgulho ter um irmão como o Casildo, que, além de ter me inspirado, sempre desempenhou o papel de meu conselheiro. Seu espírito realizador, sério e engajado foi um exemplo não só para mim, mas para todos os que se dedicam a trabalhar em prol da população catarinense e brasileira. Como costumo dizer, a política é um sacerdócio e deve ser desenvolvida com muito trabalho e amor. E isso o Casildo fez como ninguém”, disse.

O velório ocorre na Assembleia Legislativa, das 10 às 13 horas. Na sequência, será realizada uma cerimônia de cremação, no Jardim da Paz, em ato reservada à família e amigos mais próximos.


Texto: Felipe Silveira
Foto: Divulgação