Fernando da Silva Comin é reconduzido ao cargo de PGJ do MPSC

O chefe do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), Fernando da Silva Comin, foi reconduzido ao cargo de Procurador-Geral de Justiça (PGJ) na manhã desta sexta-feira (9). A solenidade, conduzida pelo Colégio de Procuradores de Justiça, foi a distância e adaptada para respeitar as medidas de prevenção em vigor contra o coronavírus.

Reeleito com 87% dos votos válidos dos membros do MPSC, Fernando da Silva Comin foi o único candidato a concorrer à chefia da instituição e obteve 415 votos dos 477 membros na eleição que ocorreu no dia 3 de março.

“A pandemia está sendo muito mais do que uma crise na área da saúde, mostrando uma larga dimensão que afeta também a economia, o emprego, a subsistência, a dignidade, o direito de ir e vir e, em geral, a forma de se comportar em sociedade; um fenômeno capaz de interromper sonhos e projetos”, disse Comin em seu discurso, ressaltando que o Ministério Público igualmente teve que se reinventar e adaptar-se rapidamente.

Entre os projetos previstos para o próximo biênio está a implementação de um grupo para enfrentamento a crimes cibernéticos, que irá permitir desenvolver estratégias de combate preventivo e repressivo a toda forma de criminalidade no ambiente digital. Comin disse que a ideia já vinha sendo estudada, mas ganhou força no último ano em razão da pandemia, que colocou luz sobre uma série de crimes, como notícias falsas com conteúdo criminoso, discurso de ódio, pedofilia, injúria racial, racismo, golpes contra consumidores, entre outros.

Atual Procurador-Geral de Justiça do MPSC, Comin iniciou sua carreira na instituição como estagiário, em 1997, e partir do ano 2000 passou a exercer serviço voluntário, permanecendo até agosto de 2001, quando foi empossado como Promotor de Justiça Substituto. Já atuou como Promotor de Justiça titular nas Comarcas de São José do Cedro, São Miguel do Oeste, Mafra, Chapecó, Joinville e Itajaí. É titular da 8ª Promotoria de Justiça de Balneário Camboriú.

Também é mestre em Ciências Jurídico-Políticas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e especialista em Ciências Jurídico-Políticas pela mesma faculdade.


Edição: Felipe Silveira
Foto e informações: MPSC