Ato pela suspensão das aulas presenciais em momento mais crítico da pandemia ocorre na quarta

Servidoras e os servidores da educação de Joinville, reunidos virtualmente na noite de segunda-feira (22), decidiram realizar um ato pela suspensão das aulas presenciais. A atividade será na quarta-feira (24), às 12h30, em frente à Secretaria de Educação.

O objetivo é expor a grave situação a qual está exposta toda a comunidade escolar. Para o Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville e Região (Sinsej), a culpa pela morte de duas cozinheiras vítimas da covid-19 é do governo de Adriano Silva, que manteve as aulas presenciais.

“Quantas vidas mais precisarão ser ceifadas para que o prefeito tome uma atitude em defesa da vida?”, questiona o sindicato em nota.

A categoria luta contra a continuidade das aulas presenciais; por melhores condições de trabalho; contra a dupla jornada imposta pelo sistema híbrido de ensino; contra a falta de contratação de mais trabalhadores; por uma política de testagem em massa e periódica; e contra a reforma da previdência.

Os trabalhadores também denunciam e querem providências com relação à falta de infraestrutura para garantir a ventilação nas unidades de trabalho; à ausência de higienização adequada; a falta de distribuição de máscaras; e de meios eficazes para evitar aglomerações nas entradas e saídas das unidades de ensino. Outra demanda é por uma solução sobre as horas negativas acumuladas por servidores impossibilitados de cumprir o teletrabalho desde o início da pandemia.


Edição: Felipe Silveira
Foto e informações: Sinsej