Escolha pelo rio Mathias teria sido do Ministério das Cidades, segundo ex-secretários

Nesta quinta-feira (18), a CPI do Rio Mathias ouviu ocupantes de cargos municipais na gestão do prefeito Carlito Merss (2009-2012). O objetivo era descobrir de onde saiu a decisão de fazer a obra de macrodrenagem no rio Mathias, que corta a região central da cidade e deságua no rio Cachoeira.

Os vereadores colheram depoimentos de Carla Cristina Pereira, Cassiano Garcia da Silva, Eduardo Dalbosco, Giampaolo Barbosa Marchesini, Ricardo Suzuki e Saulo Vicente Rocha. A única ausência foi do ex-secretário de Planejamento, Adelir Stolf, que já tinha sido ouvido pela CPI no dia 8 de fevereiro.

Para a comissão, os ex-secretários de Carlito Merss teriam participado da decisão por realizar a obra de drenagem do Mathias, em 2012. Entretanto, informações das oitivas revelaram que a escolha partiu do antigo Ministério das Cidades.

Os depoimentos da ex-diretora executiva da Unidade de Coordenação de Projeto, da Secretaria de Planejamento, Carla Cristina Pereira, e do ex-chefe de gabinete de Carlito Merss, Eduardo Dalbosco, trouxeram a informação de que a escolha de realizar a obra no rio Mathias, e não em outro rio da cidade, foi feita pelo antigo Ministério das Cidades. O Ministério escolheu o Mathias entre as propostas enviadas pelo município.

Dalbosco também afirmou que o recurso era insuficiente para fazer a obra de macrodrenagem na zona sul de Joinville e que a obra no Mathias se encaixava no recurso disponível. Carla Pereira ainda esclareceu que a hierarquização do Plano de Drenagem Urbana, que colocou o Rio Mathias como 11° na lista de prioridade, foi finalizado em 2011. Ou seja, um ano depois da opção pela obra no Mathias.

Ex-coordenador na Secretaria de Infraestrutura, Saulo Vicente Rocha, afirmou que o projeto aprovado em 2012 foi “substancialmente alterado” e difere do projeto que foi licitado pela Prefeitura mais tarde.

A próxima reunião da CPI está agendada para a próxima segunda-feira (22), às 9 horas, quando o ex-prefeito Carlito Merss será ouvido.


Edição: Felipe Silveira
Foto: Mauro Artur Schlieck/CVJ
Informações: CVJ