Estado libera novas atividades mesmo com regiões em nível gravíssimo

A partir desta segunda-feira (21), de acordo com novo decreto estadual, estão liberados em Santa Catarina, dependendo do nível de risco, eventos sociais, cinemas, casas noturnas, teatros e parques temáticos. O transporte coletivo urbano municipal poderá circular com 70% da capacidade do veículo no nível gravíssimo e até 100% nos demais níveis de risco.

Praticamente todas as atividades são autorizadas em locais com risco gravíssimo, que é a situação de 15 das 16 regiões do estado. A mudança ocorre em um momento de crescimento no número de casos e de mortes e com a taxa de ocupação de leitos de UTI Covid em 86,46%.

Eventos sociais estão autorizados com apenas 30% de ocupação quando a região estiver em nível gravíssimo (vermelho) na matriz de risco estadual. Em municípios com nível grave (amarelo), é possível reunir 50% dos convidados no mesmo ambiente.

Cinemas, teatros, congressos, feiras e exposições também poderão funcionar com 30% de ocupação no nível gravíssimo. A mesma regra vale para igrejas e templos religiosos, que já funcionavam com 30% da capacidade. Museus podem abrir com 50% de ocupação, mesmo percentual autorizado para parques aquáticos e complexos de águas termais.

Atividades esportivas de caráter recreativo, como jogos de vôlei e futebol, ficam proibidas no nível gravíssimo e autorizadas nos demais níveis. Competições esportivas organizadas pela iniciativa privada, por meio de entidades de administração esportiva ou pela Fesporte, estão permitidos em todas as regiões, porém, sem acesso de público.

Também fica estabelecido que as atividades devem ser regradas de acordo com a matriz de risco epidemiológico-sanitário da secretaria de estado da Saúde, sem prejuízo dos demais regramentos sanitários emitidos por autoridade sanitária federal, estadual ou municipal.

Liberação de toda a capacidade da rede hoteleira

Outra medida tomada pelo governo foi liberar toda a capacidade da rede hoteleira também a partir desta segunda-feira. O argumento dado foi de que a medida visa reduzir a hospedagem clandestina em estabelecimentos sem fiscalização.


Edição: Alexandre Perger
Foto: Mauricio Vieira/Governo de SC