Movimentos entregam carta ao governador em defesa do serviço público

Para marcar o dia nacional de luta em defesa do serviço público, representantes dos movimentos sindical e social realizaram um ato em frente ao Centro Administrativo do Governo do Estado, em Florianópolis, na manhã de quinta-feira (10). Na mobilização, foi entregue uma carta, assinada por 57 entidades, destinada ao governador Carlos Moisés.

O documento reforça a importância de fortalecer os serviços públicos e cobra medidas para conter o avanço da pandemia. Como o governador estava em agenda externa, a carta foi entregue a uma representante do governo.

Recebe notícias pelo Whatsapp

Pela carta, os movimentos podem que o governo adote medidas restritivas a fim de manter o isolamento e o distanciamento social de forma eficaz. Destaca que Santa Catarina está com mais de 32 mil casos ativos da doença, o maior volume em toda a pandemia, assim como o número de internados em UTIs públicas e privadas. “Isso expõe o descaso com o qual a saúde pública do estado vem sendo conduzida neste período”, registra.

Os manifestante explicam que há uma leitura equivocada de que tudo que é público não presta. “Essa narrativa ganha força com o governo Bolsonaro, sobretudo pela política econômica de Paulo Guedes, na qual a prioridade é precarizar e privatizar tudo, como o próprio já manifestou”, diz a carta.

Também registra que há um “contínuo de precarização dos serviços públicos, passando pela não manutenção dos espaços físicos, não reposição das milhares de vagas em aberto, terceirização de serviços, falta de condições mínimas de trabalho para quem está na ativa e não recomposição dos salários, diminuindo o poder de compra destes trabalhadores e trabalhadoras”.

No final do documento, os manifestantes pediram a regulamentação do trabalho não presencial com diálogo junto às entidades representativa dos trabalhadores, prevendo a indenização aos custos suportados, e concurso público emergencial para suprir as vagas necessárias para atender às demandas.


Edição: Felipe Silveira
Foto: Micheline Zolet/CUT
Informações: CUT