Com critério político, Novo inicia processo seletivo para comissionados em Joinville

O prefeito eleito de Joinville, Adriano Silva (Novo), sempre alegou que a escolha dos ocupantes dos cargos comissionados seria feita por critério técnico, por meio de processo seletivo, conforme orientação nacional do partido Novo. Porém, um dos critérios exigidos no processo, anunciado nesta terça-feira (1), é político. Diz o texto, publicado em redes sociais do partido, que será avaliado o “conhecimento e alinhamento com o projeto de governo apresentado na campanha”.

O seletivo será dividido em quatro fases: 1) cadastro e análise de currículos; 2) questionário sobre conhecimentos gerais e alinhamento político; 3) entrevista com checagem de informações; e 4) entrevista com Adriano Silva e Rejane Gambin (vice) para análise de afinidade do interessado com o cargo pretendido.

Segundo o edital, serão avaliados no processo os seguintes critérios: formação técnica e perfil aderente à área escolhida; experiência profissional relacionada com à área escolhida; se já é servidor de carreira ou não, sendo privilegiado o servidor já concursado; o conhecimento e alinhamento com o projeto de governo apresentado na campanha disposição para inovar e aprimorar o serviço público prestado aos indivíduos.

“O objetivo é formar um time técnico e com a competência necessária para otimizar o uso dos recursos públicos e atender ao cidadão com serviços públicos que apoiem e melhorem o seu dia a dia. A iniciativa do governo de Joinville, que assume a prefeitura da cidade em 1 de janeiro de 2021, visa aperfeiçoar o modelo de atração, seleção, desenvolvimento e desempenho de profissionais para a administração pública do município”, registra o texto enviado pelo partido.

A inscrição pode ser feita no site do partido Novo. O texto com os critérios foi publicado nas redes sociais do partido em Joinville. A primeira fase de inscrição se encerra no sábado (6), às 23:59.

Primeiro escalão

Segundo o Novo, em virtude do pouco tempo de transição disponível, o prefeito vai se dedicar a escolher, como prioridade, o time de primeiro escalão e cargos chaves (secretários, diretores e gerentes), visando que a máquina pública não pare. Os demais cargos (coordenações e supervisões) terão processo aberto mais adiante.


Edição: Felipe Silveira
Foto e informações: Prefeitura