PT não apoiará Darci ou Adriano no segundo turno e será oposição ao governo

Depois de quatro anos sem representação na Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ), o Partido dos Trabalhadores (PT) conseguiu eleger uma representante para o próximo mandato. Ana Lucia Martins — a primeira mulher negra eleita ao parlamento joinvilense — será a representante petista e será oposição ao governo, independente de quem for eleito.

É o que ficou definido em plenária do partido na última quinta-feira (19), quando a militância se reuniu para definir a posição no segundo turno que está sendo disputado por Darci de Matos (PSD) e Adriano Silva (Novo). O PT de Joinville disputou a eleição com Francisco de Assis, que recebeu 10.495 votos no primeiro turno.

“Os dois candidatos que concorrem no segundo turno representam frações da mesma elite econômica deste município que disputam qual grupo assumirá o poder governamental local. No entanto, tem convergência em pontos políticos e econômicos fundamentais e que são opostos ao que defendemos e representamos. Os dois candidatos são mais do mesmo”, registra a nota do partido. Veja a nota completa abaixo:

Resolução do PT de Joinville sobre o 2º turno

Passado o primeiro turno das eleições municipais em Joinville, carregando a conquista do Partido dos Trabalhadores de ter retornado à Câmara de Vereadores com a eleição da companheira Ana Lúcia Martins, a primeira mulher negra eleita vereadora na história da cidade, nós celebramos. Mas a luta não nos permite brecha para descanso. Por isso, conforme plenária ampliada realizada no dia 19 de novembro com sua militância, o PT de Joinville aprovou os seguintes encaminhamentos sobre nossa posição no segundo turno:

– Conforme resolução sobre Tática Eleitoral, aprovada pela Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores, que veta “alianças com os partidos que sustentam o projeto ultraneoliberal” e, em respeito aos 10.495 votos recebidos, o PT de Joinville delibera que sua posição oficial no segundo turno é em não apoiar nenhum dos dois candidatos a prefeito, Darci de Matos (PSD) e Adriano Silva (Novo).

– Por defender durante a campanha uma política de Estado forte e de bem-estar social, por compromisso e coerência, o PT de Joinville delibera que será oposição aos dois candidatos e ao governo municipal, qualquer que seja o eleito.

Os dois candidatos que concorrem no segundo turno representam frações da mesma elite econômica deste município que disputam qual grupo assumirá o poder governamental local. No entanto, tem convergência em pontos políticos e econômicos fundamentais e que são opostos ao que defendemos e representamos. Os dois candidatos são mais do mesmo. São duas candidaturas auxiliares do governo de Jair Bolsonaro. Vão promover ataques e mais ataques aos serviços públicos e aos direitos da classe trabalhadora de Joinville.

O deputado federal Darci de Matos (PSD) votou pela Reforma da Previdência de Jair Bolsonaro, que retirou direitos dos trabalhadores. A alteração das regras da Previdência promovidas com o seu voto distanciaram os trabalhadores dos benefícios estatais. No que se refere à política de Joinville, em debate televisivo entre os candidatos do primeiro turno, Darci de Matos (PSD) afirmou, direcionado ao candidato à prefeitura do PT, que se opõe a empresas estatais, disse que é um liberal na economia e, com ênfase, se orgulhou do voto pela PL 4162/2019 — o Marco Legal do Saneamento Básico —, que fortalece o viés de privatização dos serviços, indo na direção contrária ao interesse público.

Adriano Silva (Novo), por sua vez, em seu programa registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), defende um “Estado sem estatais e sem participações em qualquer empresa” e “privatizações para a infraestrutura”, políticas que restringem o atendimento das camadas populares da população. O partido Novo, que já nasceu velho, é tão extremista como Bolsonaro. Defende um Estado mínimo e votou todos os projetos contra a classe trabalhadora. Promete privatizações, a precarização dos serviços públicos e a redução do Estado na vida do povo, que tanto depende de ser assistida por mais e melhores serviços públicos, gratuitos e de qualidade, algo que se escancarou com a pandemia.

Os dois candidatos são opostos a política que apresentamos para Joinville no primeiro turno e que representamos no país. Por estas razões centrais, o Partido dos Trabalhadores de Joinville não apoiará nenhum dos dois candidatos à prefeitura e será oposição ao governo municipal, qualquer que seja o vencedor do segundo turno.


Texto: Felipe Silveira
Fotos: PT Joinville