Templo mais antigo de Joinville, Igreja da Paz começa a ser restaurada

A Igreja da Paz, templo central da Comunidade Luterana de Joinville, é uma das mais importantes edificações do patrimônio histórico de Joinville e está sendo restaurada. As obras começaram no final de outubro, com a recuperação da cobertura do prédio, e prosseguem até fevereiro de 2021. A meta agora é continuar a captação de recursos para incluir a substituição do forro, a revisão do sistema elétrico e a reforma da torre da igreja nesta fase das obras.

Os trabalhos atuais integram a primeira etapa do projeto de restauração que tem o objetivo de restaurar e adequar às normas de acessibilidade e segurança o prédio que começou a ser erguido em 1857. A Casa de Oração Protestante (a nomenclatura “Igreja” era proibida para templos não católicos) foi inaugurada em 7 de agosto de 1864 e contou com a presença de cerca de quinhentas pessoas, segundo o Kolonie-Zeitung, o jornal da colônia.

Ao longo de sua história, ela passou por diversas ampliações e mudanças. A construção da torre só foi possível após a Proclamação da República, com uma maior flexibilização proporcionada pela nova Constituição Federal. Assim, em 18 de dezembro de 1892 a torre foi consagrada. No mesmo período foram adquiridos na Alemanha três sinos para ela. O relógio da torre foi instalado mais tarde, por volta de 1908. A última grande reforma ocorreu em 1964. Depois disso foram realizadas apenas pequenas alterações.

Igreja da Paz fica localizada no centro de Joinville

Situada na rua Princesa Isabel, a Igreja da Paz integra o conjunto arquitetônico da Paróquia da Paz e do Colégio Bom Jesus (a antiga Deutsche Schule, construída entre 1866 e 1868), e faz parte do cotidiano da cidade — o soar de seu sino ainda pode ser ouvido a cada hora, marcando o ritmo da vida no centro.

“O restauro da Igreja da Paz vai além da recuperação de um patrimônio histórico. Ele representa a continuidade de uma caminhada que foi iniciada em dezembro de 1851 com a celebração do primeiro culto da comunidade evangélica e foi parte fundamental da construção de Joinville em seus quase 170 anos de história”, comentou Álvaro Kieper Filho.

Lei Rouanet

O projeto é viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com patrocínio de diversas empresas da cidade, além de pessoas físicas como apoiadores. O projeto arquitetônico é da Ornato Arquitetura e a produção cultural das empresas Cultiva Gestão Criativa e Fazer Cultural. A coordenação geral do projeto é de Álvaro Kieper Filho, presidente da Comunidade Evangélica de Joinville (CEJ) e de Nelson Carlos Steuernagel, presidente da Paróquia da Paz.

A recuperação da cobertura do prédio já está andamento e a previsão é que esteja concluída até fevereiro de 2021. Ela prevê a revisão, recuperação do telhado e impermeabilização das telhas, recuperação das estruturas de madeira, calhas e rufos, instalação de subcobertura.

Já as demais etapas da obra, porém, ainda não têm data prevista para começar. Elas dependem da viabilização financeira, que é feita por meio de captação de recursos junto a pessoas físicas e jurídicas. O projeto “Restauração da Igreja da Paz” está aprovado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, a Lei Rouanet, o que permite deduzir 100% da doação ou patrocínio do Imposto de Renda devido – ou seja, o aporte ao projeto não tem um custo extra ao doador/patrocinador, já que é parte do imposto que ele já pagaria ao governo federal.

Pessoas jurídicas (tributadas em lucro real) podem patrocinar o projeto com até 4 % do imposto e pessoas físicas (que fazem a declaração completa) podem doar para o projeto até o limite de 6% do imposto devido. O depósito deverá ocorrer até 31 de dezembro de 2020 e o valor será deduzido na declaração de 2021, no caso de pessoa física.


Edição: Felipe Silveira
Fotos: Redes sociais da Igreja da Paz
Informações: Assessoria