18ª Legislatura é a maior derrotada da eleição

A renovação da Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ) é a grande surpresa da eleição em 2020. Há outras, mas a dança das cadeiras no parlamento, desta vez, foi a parte mais animada da festa da democracia. Dos 19 vereadores, apenas quatro se reelegeram: Tânia Larson (PSL), Adilson Girardi (MDB), Claudio Aragão (MDB) e Maurício Peixer (PL). Há 14 caras novas e um retorno à casa, de Sidney Sabel (DEM).

Como quatro vereadores não tentaram a reeleição — James Schroeder (PDT), Rodrigo Fachini (PSDB), Odir Nunes (PSDB) e Ninfo König (PL) — e quatro foram reeleitos, significa que exatamente 11 vereadores foram rejeitados na tentativa de se reeleger. Assim, deixam a câmara ao final deste ano:

Ana Rita (Cidadania)
Fabio Dalonso (PSD)
Iracema Bento (PSDB)
Jaime Evaristo (PSC)
Lioilson Lioilson Corrêa (PSC)
Mauricinho Soares (MDB)
Natanael Jordão (PSC)
Pelé (MDB)
Richard Harrison (MDB)
Roque Mattei (MDB)
Wilson Paraíba (PROS)

Há inúmeros motivos que explicam cada troca, como os méritos de cada um vai entrar e erros pontuais de cada um que vai sair. Mas o fenômeno também pode ser entendido como a rejeição a um perfil de vereador que desagradou nos últimos anos. Ano a ano a CVJ ficou mais cheia do vereador “tiozão do churrasco”, com pouco domínio técnico, baixíssima participação nos debates e nenhuma verve política.

E, claro, a rejeição ao prefeito Udo Döhler também contou. Ao final de oito anos de governo e no meio de uma pandemia, o prefeito está com o filme queimado com a população. Os vereadores que foram base do governo, que sempre aprovou o que quis e o que não quis, acabaram pagando o preço. Cito o exemplo de Richard Harrison, que está longe do perfil tiozão do churrasco. Foi líder do governo no pior momento do prefeito e pagou um preço.

A CVJ vai viver um novo momento em 2021. Talvez não seja o melhor momento, mas será de fortes emoções. Os veteranos estão em minoria, e isso deve chacoalhar o tabuleiro político. Além disso, os novos parlamentares tem perfis comunicativos nas redes sociais, bem ao contrário dos tios do churrasco, e uma variedade ideológica maior. Haverá mandatos liberais, conservadores e até reacionários, todos querendo mostrar serviço, e sem dúvida vão mexer com a política em Joinville.

Quem vai compor a CVJ em 2021

Alisson Julio (Novo) – 9.574 votos
Diego Machado (PSDB) – 3.981
Tania Larson (PSL) – 3.916
Adilson Girardi (MDB) – 3.838
Claudio Aragão (MDB) – 3.584
Érico Vinícius (Novo) – 3.504
Ana Lucia Martins (PT) – 3.126
Kiko do Restaurante (PSD) – 2.915
Osmar Vicente (PSC) – 2.744
Henrique (MDB) – 2.733
Neto Petters (Novo) – 2.523
Sidney Sabel (DEM) – 2.514
Lucas Souza (PDT) – 2.311
Brandel Junior (Podemos) – 2.293
Pastor Ascendino Batista (PSD) – 2.258
Sales (PTB) – 2.093
Maurício Peixer (PL) – 2.085
Wilian Tonezi (Patriota) – 1.787
Cassiano Ucker (Cidadania) – 1.750


Texto: Felipe Silveira
Foto: Arquivo da CVJ