Sindicatos e movimentos sociais realizam ato contra reforma administrativa

Na quarta-feira (28), Dia do Servidor Público, a Praça da Bandeira foi o local de um ato público contra a reforma administrativa do governo federal, a PEC 32/2020. Organizado pelo Sinsej, teve adesão de movimentos sociais e sindicais. O ato fez parte da agenda nacional e estadual de lutas organizada pelas centrais sindicais CUT, CTB, Intersindical Central da Classe Trabalhadora, Força Sindical, CSP Conlutas e NCST.

O objetivo foi protestar contra a proposta e chamar atenção da população sobre o que o movimento considera riscos para quem depende dos serviços públicos. Atos semelhantes ocorreram em diversas cidades do país. Em Santa Catarina, também houve manifestação em Florianópolis, no Largo da Catedral com participação de representantes de diversos sindicatos.

A organização aponta que a proposta, além de acabar com a estabilidade e o regime jurídico único no serviço público, permite a contratação de indicados políticos para cargos estratégicos que hoje são ocupados por servidores concursados e de carreira. Também põe fim às progressões na carreira, às licenças prêmio e ao reajuste retroativo.

O movimenta alega que a PEC não vai combater privilégios, como o governo e defensores apregoam, porque deixa de fora os membros dos poderes Legislativo e Judiciário, como desembargadores, juízes, ministros, deputados, senadores, procuradores, membros do Ministério Público e alto escalão das Forças Armadas.

Uma nova data de mobilização está sendo programada para novembro.


Edição: Felipe Silveira
Foto: Juliana Claudio/Sinsej
Informações: Sinsej