Características, propostas e ideologias: conheça as 15 candidaturas à Prefeitura de Joinville

Por Felipe Silveira
Fotos: Divulgação

Joinville registra um recorde de candidatos e candidatas à Prefeitura em 2020. São 15 postulantes, com diferentes opções de esquerda, direita e centro. Apresentamos os dados de cada candidatura com base na declaração ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas também levando em consideração partido, histórico, posicionamentos públicos (principalmente no que se refere à orientação política) e análise dos planos de governo.

Também destacamos algumas propostas que chamaram a atenção no conjunto de proposta apresentado ao TSE. Neste caso, foram desconsideradas as abstrações (como “defender a educação” ou “estar perto das pessoas”) e destacadas as ideias mais particulares de cada candidatura, aquilo que ela tem de diferente das outras e o que é representativo de cada campanha. Contudo, são apenas algumas propostas destacadas, insuficientes para compreender os planos de governo, que devem ser lidos. Há links para cada um.

Adriano Silva (Novo)

Empresário | 42 anos | Casado
Vice: Rejane Gambin (Novo)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Direita
Patrimônio: R$ 13,5 milhões

Propostas em destaque
– Trabalhar para revogar leis que considera inúteis;
– Inserir aulas de empreendedorismo na escola;
– Passar administração de espaços públicos da cultura à iniciativa privada;
– Criar gabinete de inteligência para a segurança pública;
– Abrir serviços de água e saneamento à iniciativa privada;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Adriano Bornschein Silva é herdeiro de uma das mais ricas e tradicionais famílias de Joinville. Atua como administrador do negócio da família, o laboratório Catarinense Pharma. É conhecido em âmbito municipal pela participação em iniciativas solidárias. Também é bombeiro voluntário no município. Apesar da posição social, não é uma figura presente em atividades de entidades empresariais da cidade. É a primeira vez que concorre a cargo público.


Assis (PT)

Corretor | 58 anos | Casado
Vice: Antonia Grigol (PT)
Coligação: Joinville que cuida de sua gente (PT e PCdoB)
Orientação política: Esquerda
Patrimônio: R$ 1,5 milhão

Propostas em destaque
– Orçamento participativo;
– Banco popular;
– Eleições para direções escolares;
– Renda mínima municipal;
– Incentivos fiscais para comércio, serviço e indústria;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Francisco de Assis Nunes é um quadro histórico do PT joinvilense, tendo sido vereador em 1996, deputado estadual 1998 e 2002 e deputado federal em 2010 (ficou na condição de suplente e foi convocado durante a legislatura). Disputou, desde o início da carreira, o protagonismo do partido com Carlito Merss, que levava vantagem, tanto que foi eleito prefeito na quarta tentativa. Com o gradual afastamento do ex-prefeito das disputas principais, Assis assumiu a responsabilidade, a presidência municipal da sigla e a vaga do PT na corrida eleitoral.


Tania Eberhardt (Cidadania)

Servidora pública aposentada | 68 anos | Casada
Vice: Luiz Bittencourte (Solidariedade)
Coligação: Joinville é o que nos move (Cidadania e Solidariedade)
Orientação política: Centro-direita
Patrimônio: R$ 749 mil

Propostas em destaque
– Polos regionais para contra-turno escolar;
– Centros de inovação nos bairros;
– Incentivo ao uso de bicicletas elétricas;
– Ampliar serviços de telemedicina e teleconsultas;
– Criar rede articulada de combate e prevenção ao abuso sexual;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Tania Maria Eberhardt é uma das políticas mais experientes da cidade. Eleita vereadora em 2004 e 2008, também ocupou diversas posições no Executivo municipal. Chegou a ser secretária estadual da Saúde na gestão Raimundo Colombo e dirigiu o Hospital Regional Hans Dieter Schmidt. Toda essa carreira foi construída no PMDB. Em 2019, ela anunciou a saída do partido para concorrer à Prefeitura pelo Cidadania.


Fernando Krelling (MDB)

Deputado estadual | 38 anos | Casado
Vice: Rosane Bonessi (MDB)
Coligação: Vamos pra frente, vamos com fé (MDB, PRTB, Pros, PSB, PTB e PSC)
Orientação política: Direita
Patrimônio: R$ 1,3 milhão

Propostas em destaque
– Criação da Secretaria de Pavimentação e Zeladoria;
– Criação de parques da saúde;
– Trabalhar pela “desmedicação” da população;
– Criação de novo código ambiental;
– Plano diretor de cidades humanas e inteligentes;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Fernando Krelling é um dos jovens políticos mais destacados da cidade, que conseguiu rápida projeção na carreira. Atleta de base do esporte joinvilense, formou-se em educação física e abriu academias na cidade. Concorreu à CVJ em 2012 e não ganhou, mas assumiu como presidente da Felej (atual Sesporte) durante o primeiro mandato de Udo Döhler. Vereador mais votado em 2016, presidiu a Câmara até 2018, quando foi eleito deputado estadual.


Darci de Matos (PSD)

Deputado federal | 58 anos | Casado
Vice: Rodrigo Fachini (PSDB)
Coligação: Joinville é agora (PSD, PL, PSDB e PP)
Orientação política: Direita
Patrimônio: R$ 2,4 milhão

Propostas em destaque
– Construir UPA na região oeste;
– Transformar Joinville em cidade bilíngue;
– Fomentar Joinville como cidade dos festivais;
– Atendimento social multidisciplinar em projeto habitacionais;
– Miniolimpíadas nos bairros;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Darci de Matos é um dos políticos mais experientes de Joinville. Economista e professor antes de ingressar na política, construiu a carreira no legislativo. Foi eleito vereador em 2000 e 2004 (presidiu a CVJ duas vezes), deputado estadual em 2006, 2010 e 2014 e deputado federal em 2018. Chegou duas vezes ao segundo turno na corrida pela Prefeitura de Joinville, em 2008 e 2016.


Doutor Dalmo (PSL)

Médico | 65 anos | Casado
Vice: Derian Campos (PSL)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Direita
Patrimônio: R$ 10 milhões

Propostas em destaque
– Abrir um PA na zona oeste;
– Meritocracia no serviço público;
– Construção de pontes e abertura de ruas para a mobilidade;
– Monitoramento de vídeo nos principais acessos aos bairros;
– Programa de incentivo à adoção de animais;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
O médico Dalmo Claro de Oliveira tem sua trajetória ligada à direção de um grupo de saúde privado. Em 2010, foi candidato a deputado federal pelo MDB. Não foi eleito, mas a projeção política lhe rendeu o cargo de secretário estadual da Saúde entre 2011 e 2013, no governo Raimundo Colombo. Concorreu à Alesc em 2014 e assumiu como suplente em 2015. Filiou-se ao PSL neste ano com o objetivo de concorrer à Prefeitura.


Ivandro de Souza (Podemos)

Empresário | 50 anos | Divorciado
Vice: Angelica Ponciano (DEM)
Coligação: Aliança por Joinville (Podemos e Democratas)
Orientação política: Direita
Patrimônio: R$ 950 mil

Propostas em destaque
– Assegurar função social da propriedade;
– Criar espaços públicos de coworking;
– Viabilizar federalização do Hospital Municipal São José;
– Incentivar uso de modais leves, como bicicletas e patinetes;
– Projeto macro de paisagismo para a cidade;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Ivandro Geraldo de Souza é um empresário (atua no ramo da construção civil) que almeja entrar para a política pela Prefeitura. Em outras eleições, colocou o nome na disputação, mas retirou antes da campanha. Desta vez está mais decidido. Busca se apresentar como um candidato menos ideológico e uma alternativa ao centro, mas seu perfil, histórico de apoios e partido o colocam à direita.


James Schroeder (PDT)

Vereador | 53 anos | Casado
Vice: Adilson Caetano Buzzi (PDT)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Centro-esquerda
Patrimônio: R$ 787 mil

Propostas em destaque
– Criar aplicativo da prefeitura para atendimento e serviços;
– Criar usina de biocombustíveis com resíduos sólidos;
– Transformar escolas em unidades de ensino de tempo integral;
– Implantar nova ETA no Piraí;
– Implantar conceito de ruas completas;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
James Schroeder foi eleito três vezes para a Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ) — em 2008, 2012 e 2016. Disputou a eleição para a Alesc em 2014 e ficou na condição de suplente. Figura importante do partido pelo mandato, viu a chance de tentar um salto maior nesta eleição, após a saída de Rodrigo Bornholdt, que havia sido o candidato em outros pleitos. Engenheiro agrônomo e professor, tem o perfil menos ideológico, mais ao centro. O partido o puxa um pouco para a esquerda.


Mayara Colzani (PSOL)

Estudante | 27 anos | Solteira
Vice: Francisco Aviz (PSOL)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Extrema-esquerda
Patrimônio: R$ 0

Propostas em destaque
– Federalização da Univille;
– Transporte público gratuito;
– 100% de cobertura no programa Estratégia da Saúde da Família;
– Não pagar dívida pública interna e externa;
– Contratação de todos os profissionais necessários por concurso público;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Mayara Inês Colzani é militante de esquerda desde a adolescência, com influência da família. Integra a organização Esquerda Marxista, que defende uma revolução socialista e tem orientação trotskista. O nome mais conhecido da organização em Joinville é o ex-vereador Adilson Mariano, que seria o candidato. Como ele não pode por motivos profissionais, Mayara assumiu a tarefa de representar a organização e o PSOL nas eleições.


Anelisio da Assessoritec (Avante)

Administrador | 55 anos | Separado
Vice: Joacir do Cinco Estrelas (Avante)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Centro-direita
Patrimônio: R$ 947 mil

Propostas em destaque
– Autonomia para conselhos dos bairros;
– Oficinas de Libras nas escolas;
– Formação profissional nas periferias;
– Criar selo “Amigo do Meio Ambiente” para incentivar práticas em prol do meio ambiente;
– Regularizar transporte público de vans.
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Anelisio Machado é um empresário do ramo da educação profissionalizante. Seu perfil popular e comunicativo o torna conhecido na sociedade joinvilense. Além de estrelar os comerciais de sua instituição de ensino, é apresentador em uma TV comunitária que administra e dirige o futebol Fluminense (do bairro Itaum), tendo sido o responsável pelo projeto de profissionalização do clube. Na eleição de 2018, concorreu a uma vaga na Alesc pelo PSD. É o candidato com menos sinais ideológicos, publicamente, mas tende à direita.


Marcucci (Republicanos)

Advogado | 53 anos | Divorciado
Vice: Israel Petróleo (Republicanos)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Direita
Patrimônio: R$ 1,2 milhão

Propostas em destaque
– Rodízio de carros na região central;
– Casa de passagem para crianças e adolescentes em situação de rua;
– Eleições diretas nas escolas;
– Incentivar abertura de casas de entretenimento para alavancar programação social noturna;
– Areia descartada de fundição para asfaltamento.
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Marco Aurelio Marcucci foi delegado da Polícia Civil e vereador em Joinville. Eleito em 2004 pelo PSDB, foi condenado e preso em 2005, acusado de liderar um grupo de policiais que desviava itens apreendidos em investigações. Até hoje ele nega, mas o fato é que foi exonerado da função em 2011, depois de cumprir pena e atuar como delegado em cidades da região.


Comandante Nelson Coelho (Patriota)

Militar reformado | 53 anos | Divorciado
Vice: Sergio Duprat (Patriota)
Coligação: Joinville acima de todos (Patriota e PMN)
Orientação política: Extrema-direita
Patrimônio: R$ 490 mil

Propostas em destaque
– Fusão de secretarias;
– Captação de recursos para Areninha Joinville;
– Resgatar Caravana da Cultura;
– Desenvolver projeto para descontaminação e navegabilidade do rio Cachoeira;
– Rodoshopping;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Eleito vice-prefeito de Joinville pelo MDB em 2016, o policial militar reformado Nelson Henrique Coelho compôs o governo Udo Döhler já como um aceno à direita. De lá para cá, com a ascensão do movimento bolsonarista, de extrema-direita, Coelho busca ser a expressão local desse movimento. Sem espaço no governo e vendo crescente rejeição a Udo Döhler, tenta se distanciar do governo. Antes da carreira política, era piloto da Polícia Militar de Santa Catarina e chegou a comandar um dos batalhões da cidade.


Levi (Democracia Cristã)

Vendedor | 47 anos | Casado
Vice: Simone (DC)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Direita
Patrimônio: R$ 20 mil

Propostas em destaque
– Prefeitura itinerante;
– Construção de elevados;
– Discutir e implementar metrô de superfície;
– Repassar dinheiro de multas de trânsito para polícias civil e militar;
– Centro público para todas as modalidade;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Levi Rioschi foi vereador de 2013 a 2016, pelo PPS (atual Cidadania). Antes disso, foi assessor parlamentar do partido. Ligado à igreja evangélica, atua na zona sul da cidade.


Drico do PSTU (PSTU)

Professor | 37 anos | Solteiro
Vice: Ricardo Lautert (PSTU)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Extrema-esquerda
Patrimônio: R$ 160 mil

Propostas em destaque
– Quarentena social e geral;
– Expropriação das indústrias essenciais;
– Proibição de demissões;
– Passe livre aos desempregados;
– Expropriação de prédios e casas abandonadas;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Adriano Mesnerovicz é professor de história desde 2012. Começou a militância no movimento estudantil, na EEB Celso Ramos. Filiado ao PSTU desde 2015, soma uma série de participações em atividades militantes, como greves, congressos, ocupações e manifestações. É a primeira vez que participa de uma eleição.


Eduardo Zimmermann (PTC)

Servidor público estadual | 34 anos | Solteiro
Vice: Capitão Ávila (PTC)
Coligação: Partido isolado
Orientação política: Extrema-direita
Patrimônio: R$ 239 mil

Propostas em destaque
– Escola cívico-militar por bairro;
– Construir teleférico que ligue Morro do Finder, Morro do Boa Vista e Baía Babitonga;
– Reduzir ISS e IPTU;
– Licitar folha de pagamento municipal;
– Programa de incentivo à exigência de Nota Fiscal;
– Leia o plano completo aqui.

Descrição
Joinville tem várias candidaturas que defendem Jair Bolsonaro, mas duas podem ser consideradas bolsonaristas mesmo, com características do movimento de extrema-direita. E se a candidatura de Nelson Coelho (Patriota) é mais alinhada à ala militar, a de Eduardo Zimmermann e Silva é totalmente alinhada com a ala olavista. Tanto que ele foi coordenador-geral de gestão na pasta da juventude do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.