PSL desiste de coligação com MDB e Dalmo Claro volta à disputa em Joinville

Dalmo Claro (PSL) está de volta à disputa pela Prefeitura de Joinville. O partido, que há dois dias retirou a candidatura e anunciou a chapa com o MDB em Joinville, comunicou a volta à corrida eleitoral nesta sexta-feira (18), depois que o deputado estadual e pré-candidato a prefeito Fernando Krelling votou a favor da abertura de processo de impeachment do governador Carlos Moisés, que é do PSL.

O apoio ao MDB, anunciado na quarta-feira (16), foi uma decisão estadual que atropelou a direção municipal do partido e frustrou os planos do médico joinvilense, que sonha em ser prefeito da maior cidade catarinense. O objetivo da coligação era conquistar votos emedebistas que pudessem salvar o governador catarinense. Não deu certo.

Notícias relacionadas
Em justificativa de voto de impeachment, Krelling dispara contra adversários
PSL anuncia coligação com MDB e Dalmo Claro retira candidatura
Três deputados de Joinville votam a favor do julgamento de Moisés e Daniela
Como votou cada deputado em relação aos processos de impeachment
Os próximos passos do pedido de impeachment de Moisés e Daniela
Rosane Bonessi, também do MDB, será candidata a vice na chapa de Krelling

Convenção do PSL deve homologar candidatura de Dalmo Claro na quarta

Krelling pode até ter feito as contas para considerar um voto diferente, mas o governador ficou muito longe do que precisava. Em sua justificativa de voto, o parlamentar e candidato joinvilense afirmou que as críticas lhe tiraram o sono, mas que seu voto não tinha preço.

Como não deu jogo, o PSL liberou os partidários joinvilenses para a corrida eleitoral. Assim, o médico Dalmo Claro e o empresário Derian Campos foram a chapa como candidato e vice. Dalmo se filiou neste ano, convidado para ser o candidato. É um político experiente, que foi deputado e secretário de Estado da Saúde.

Derian Campos chegou a ser pré-candidato pelo partido, mas mais articulador, foi atrás de um nome mais pesado para a disputa. O empresário participou ativamente da campanha de Carlos Moisés e de Jair Bolsonaro. Logo no início de 2019, esteve envolvido em disputa pela liderança do partido em Joinville, tendo o deputado federal Coronel Armando como adversário. Com a saída de Jair Bolsonaro do PSL, Armando não deixou o partido, mas largou a disputa pelo poder.


Texto: Felipe Silveira
Foto: Assessoria de Dalmo Claro