Depois de oito mandatos na CVJ, Odir Nunes deixa a política

O vereador Odir Nunes, atualmente no PSDB, entrou na Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ) em 1988 e vai deixá-la em 2020, depois de oito mandatos. O vereador, que chegou a se pré-candidatar à Prefeitura de Joinville neste ano, fez o anúncio na segunda-feira (31), após a convenção dos tucanos.

Crítico ferrenho do governo Udo Döhler neste último mandato, o parlamentar que sempre teve base na região de Pirabeiraba, disse que não vai participar de nova eleição a pedido da família. Odir completa 64 anos neste mês de setembro.

“Após oito mandatos, sem nenhuma mácula, e após muitas conversas com amigos e atendendo um pedido muito especial de minha família não irei disputar a eleição municipal para nenhum cargo em 2020”, registrou em nota.

Eleito pelo PFL, em 1988, nem sempre esteve no parlamento. Como o próprio lembrou na nota de despedida, Odir atuou como secretário nos governos de Luiz Gomes, Wittich Freitag, Luiz Henrique e Marco Tebaldi. Também atuou como diretor regional da Casan. Nesses 30 anos, tentou saltar algumas vezes à Assembleia Legislativa, sem sucesso. Seu cargo de maior destaque foi a presidência do câmara joinvilense entre 2010 e 2012, durante o governo do petista Carlito Merss.

Odir colocou o seu nome na disputa pela indicação tucana na eleição deste ano. Fez uma campanha morna, que levou até as vésperas da convenção do partido. Com uma previsível derrota à vista, retirou-se da disputa. Dois dias depois, comunicou a saída da política eleitoral, mas afirmou que vai seguir atuante no partido.

“Continuarei contribuindo com minha experiência e aprendizados que acumulei ao longo dessa jornada, com os candidatos de meu partido para que atuem e exerçam a vereança em sua plenitude”, disse.

O PSDB terá o também vereador Rodrigo Fachini na disputa pela Prefeitura. Ele será cabeça de chapa, como ficou definido na convenção realizada na segunda-feira. Agora o partido busca construir uma coligação com a vaga de vice aberta. O partido busca retornar ao comando da cidade que governou entre 2002 e 2008, com Marco Tebaldi. Ele assumiu a cadeira de Luiz Henrique da Silveira, de quem era vice, e foi reeleito em 2004. Tebaldi morreu em outubro de 2019, vítima de câncer.


Texto: Felipe Silveira
Foto: CVJ
Informações: Assessoria de Odir Nunes