Adriano Mesnerovicz, militante LGBTs, é pré-candidato à Prefeitura pelo PSTU

Joinville terá uma candidatura com a pauta LGBTs na disputa à Prefeitura. Não é a única militância de Adriano Mesnerovicz, pré-candidato do PSTU, professor de história com atuação sindical que sempre está presente às manifestações de esquerda. O partido vai para a disputa com chapa pura, tendo o também professor Ricardo Lautert como vice.

Com formação em história, Adriano é professor desde 2012, depois de atuar 15 anos como garçom na cidade. Mas começou a militância no movimento estudantil, na EEB Celso Ramos. Em 1999, participou do acampamento em defesa da educação contra o governo estadual durante a greve do magistério. Hoje, aos 37 anos, soma uma série de participações em atividades militantes, como greves, congressos, ocupações e manifestações. Adriano atua no partido desde 2015.

O pré-candidato socialista critica diversos pontos dos governos Udo Döhler. Para Adriano, há deficiências no saneamento básico (com falta de água nos bairros periféricos), o serviço público tem salários defasados, faltam vagas nas creches e há conivência com a atuação das empresas que operam o transporte público sem licitação em Joinville, entre outras críticas.

Adriano também destacou a pandemia de coronavírus. “A classe trabalhadora é a mais atingida, dado que são os trabalhadores que estão a pleno vapor nas indústrias, no comércio e no campo”, disse. Para ele, o “caos sanitário, político e social é liderado pelo poder executivo nacional, estadual e municipal (Bolsonaro, Moisés e Udo)”.

Para enfrentar essa situação, o pré-candidato apresenta o que chamou de “saída socialista”, que, entre as medidas, estão: paralisação da indústria e de serviços que não sejam essenciais, garantindo estabilidade no emprego, salário e renda a todos trabalhadores pelo tempo que durar a quarentena; expropriação das indústrias essenciais sob controle operário para assegurar produção voltada ao enfrentamento da pandemia; proibição de demissões; testagem em massa; incorporação da rede privada ao SUS; expropriação de prédios e casas abandonados para fins habitacionais; isenção das taxas de água, luz e lixo nas periferias; isenção de aluguel; entre outras medidas que o partido vai apresentar ao longo da campanha.


Texto: Felipe Silveira
Foto: Arquivo pessoal