Napkin e narrow-j lançam clipe com forte mensagem feminista

“Soul on Fire” é o resultado da parceria entre a Napkin, banda de Joinville formada por Kimberly Neves e Natana Alvarenga, e a dj e produtora narrow-j. O clipe, lançado na quinta-feira (6), traz uma forte mensagem feminista e é inspirado no filme “O quarto de Jack”, em que uma mulher e seu filho são mantidos por anos em cativeiro. Além do conteúdo feminista, a equipe técnica foi majoritariamente composta por mulheres, com destaque para Karina Oliveira, que estreia como diretora.

Este é o primeiro videoclipe do álbum “I.NN.PAK”, lançado em 2019. E também foi a primeira parceria do duo joinvilense.

“Já conhecíamos e admirávamos o trabalho da narrow-j, e finalmente convidá-la para esta colab nos deixou empolgadas demais. Sabíamos que seria uma música forte em vários sentidos. Ao perceber o que tínhamos em mãos, decidimos por ser uma música 100% feita por mulheres, para darmos mais visibilidade ainda à causa”, explica Natana Alvarenga, vocalista e guitarrista do duo.

Clipe, estrelado pelas artistas que escreveram a música, é inspirado no filme “O quarto de Jack” – Foto de Karina Oliveira

A música começou a ser escrita pelo trio em 2017, tendo como referência o filme “O Quarto de Jack”, de 2016, estrelado por Brie Larson e com direção de Lenny Abrahamson. No filme, a protagonista é vítima de sequestro, confinamento e estupro. A composição, no entanto, ficou engavetada até 2019 e voltou à tona no momento em que a Napkin começava a se preparar para a gravação do seu álbum de estreia, “I.NN.PAK”, lançado em outubro.

“Soul on Fire” fala sobre a dificuldade em superar um trauma e a luta para seguir em frente, mesmo quando há uma libertação. O intuito do trio é trazer conscientização sobre o tema e dar voz a milhares de mulheres que sofrem, ou já sofreram, qualquer tipo de abuso, seja físico ou verbal. A música (ouça no Spotify) atualmente está entre as mais ouvidas do álbum, o que despertou a atenção das artistas para levarem a mensagem adiante com um apelo visual e imersivo no tema.

“O que queremos trazer à tona é como o tema está presente no dia-a-dia de todas as mulheres, desde a nossa fase de crescimento até a vida adulta. Infelizmente, como mulheres, pelo menos em algum estágio das nossas vidas já experienciamos algum tipo de abuso ou opressão. Em algum momento já nos sentimos invadidas, desrespeitadas e abusadas, muitas vezes por conta da normalidade imposta pela sociedade machista que acaba nos fazendo acreditar que não temos direito a um amparo”, desabafa narrow-j.

Para as artistas, o momento se torna ainda mais propício para a abordagem do tema devido ao período delicado em que todos estamos vivendo devido à pandemia, já que se pode observar uma alta de 46% no feminicídio durante a quarentena, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O trabalho ainda apresenta uma nova faceta da Napkin, agora mais eletrônica. Pelas mãos de narrow-j, a faixa tem influências de trap e future bass.

narrow-j é o nome artístico de Jessica Niehues. Seu primeiro single, “La Nuit”, é um trap produzido em Los Angeles, lançado em 2018, com a participação do rapper francês H3RY LÜCK nos vocais. Em paralelo a sua carreira como DJ e produtora musical, narrow-j se dedicou nos últimos seis anos como professora dos cursos de DJ da Academia Internacional de Música Eletrônica (Aimec), em sua sede em Joinville. Recentemente co-fundou a metamorfose.lab, canal digital que ensina artistas da música a serem reconhecidos pelas sua arte através da construção de sua marca.

Veja o clipe


Edição: Felipe Silveira
Foto: Debora Mattos/Divulgação
Informações: Divulgação