A política em Joinville: A mobilização depois do ciclone

Por Felipe Silveira
Foto cedida por Herison Schorr/Folha Norte SC

Devido ao ciclone que atingiu Santa Catarina na terça-feira (30), a coluna “A política em Joinville” não foi publicada na quarta-feira. Pedimos desculpas aos leitores a às leitoras, mas a preocupação, naquele momento, estava voltada ao evento climático e à tragédia que se abateu sobre os catarinenses. Nove pessoas morreram em SC e duas seguem desaparecidas.

Ainda hoje, O Mirante vai divulgar iniciativas solidárias na região Norte. Vizinha de Joinville, a cidade de Garuva precisa de ajuda, pois foi devastada pela ventania. Cerca de 98% dos habitantes do município ficaram sem energia elétrica. Foram muitos os prejuízos materiais na cidade (veja no vídeo abaixo). A comunidade Jardim das Oliveiras, em Araquari, e a comunidade quilombola Beco do Caminho Curto, em Joinville, também precisam de ajuda.

Garuva foi atingida nesta terça e quarta-feira pelos ventos de um ciclone extratropical. Casas foram destelhadas e…

Posted by Prefeitura de Garuva on Thursday, July 2, 2020

Calamidade

Diante deste cenário, o governador Carlos Moisés decretou estado de calamidade pública em Santa Catarina. “Isso vai gerar facilidades no recebimento de recursos da União, tanto para assistência humanitária quanto para reconstrução”, explicou João Batista Cordeiro Júnior, chefe da Defesa Civil. Ele e Moisés participaram, na quinta-feira, de uma reunião com o Fórum Parlamentar Catarinense, a Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) e representantes da Assembleia Legislativa (Alesc). Também participaram os três senadores, deputados federais e mais de uma dezena de prefeitos.

“Precisamos encaminhar isso o mais brevemente possível para Brasília para que possamos ter um retorno por parte do Governo Federal. O objetivo do Governo do Estado, por meio da Defesa Civil, é que haja celeridade nas respostas. Agradecemos o empenho da bancada catarinense nesse momento e colocamos a estrutura do Estado à disposição”, afirmou o governador.

A resposta oficial pode vir neste sábado (4), quando o presidente Jair Bolsonaro visita o estado e planeja sobrevoar as áreas atingidas.

Alesc

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina vai doar R$ 30 milhões para o Executivo aplicar na recuperação dos estragos causados pelo ciclone que atingiu o estado na terça-feira (30). A decisão foi tomada durante reunião extraordinária da Mesa Diretora da Casa, na tarde de quarta-feira (1º). Segundo o presidente da Alesc, deputado Julio Garcia (PSD), os recursos integram o orçamento do Legislativo estadual e são fruto de economia nos setores administrativos e nos gabinetes da Assembleia.

De acordo com o Garcia, os R$ 30 milhões já estão disponíveis. Para utilizá-los, o governo catarinense, por meio da Defesa Civil do Estado, deverá encaminhar à Assembleia os projetos para os quais os recursos serão destinados. Esses projetos serão analisados, aprovados pela Mesa Diretora da Alesc e os recursos liberados para uso.


Radar meteorológico

Ainda na Alesc, o joinvilense Fernando Krelling (MDB) pediu agilidade na instalação de um radar meteorológico no Norte do estado. Vicente Caropreso apoiou o pedido de Krelling e informou que o município de Joinville já oficializou a doação do terreno que abrigará o equipamento.


Acesso a crédito

Rodrigo Coelho (PSB) afirmou que vai votar a favor da MP 975, que cria o Programa Emergencial de Acesso a Crédito. A ideia é injetar até R$ 20 bilhões nas empresas de pequeno e médio porte. “É nossa missão fazer com que esse socorro chegue na ponta e seja um respiro aos nossos empreendedores e pra quem depende desses negócios. É assim que vamos girar a roda econômica pra não cairmos em uma recessão sem luz no fim do túnel”, escreveu em rede social.

Darci de Matos (PSD) também mencionou a MP, destacando que o empréstimo pode ser solicitado por empresários que, em 2019, receberam receita bruta anual acima de R$ 360 mil e igual ou inferior a R$ 50 milhões. A taxa de juros será de 3,75% ao ano, com prazo para pagamento de 36 meses e carência de seis meses para começar a pagar a primeira parcela.


Aeroporto de Joinville na lista

“Excelente notícia!”. Assim Darci de Matos (PSD) comemorou a inclusão do aeroporto de Joinville no edital do leilão de concessões a ser realizado no início de 2021. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou o edital na quarta-feira (1). O documento será encaminhado para o Tribunal de Contas da União (TCU) e, depois da análise do órgão, passará por nova votação na Anac.


Lei das Fake News

Coronel Armando falou que vai trabalhar contra a Lei das Fake News (PL 2630/20), cujo texto-base foi aprovado no Senado, na terça-feira (30). “Irei trabalhar pela rejeição desta lei que busca censurar as opiniões nas redes sociais”, escreveu o parlamentar bolsonarista, que chama o documento de PL da Censura.

A discussão em torno de leis dessa natureza gera acalorados debates à direita e à esquerda. Há uma preocupação genuína com o direito à liberdade de expressão e controle de informação pelo estado. Mas não parece ser a preocupação dos bolsonaristas nestes casos. O movimentado de extrema-direita se vale muito de robôs e de alucinados com parafuso solto para se perpetuar. É esse tipo de desinformação que o projeto de lei brasileiro (entenda o projeto nesta matéria da BBC) quer enfrentar e que os bolsonaristas querem manter.


Saiu do ar

Por causa da lei eleitoral, a Prefeitura de Joinville tirou do ar suas páginas nas redes sociais no dia 1º de julho. Foi uma das poucas, senão a única, a fazer isso. Representantes da esquerda local criticaram a atitude, ainda mais porque ocorreu em grave momento da pandemia de coronavírus e ainda durante a passagem do ciclone. Naquele momento, a eleição ainda não havia sido adiada.

Francisco de Assis (PT) registrou que a lei não desautoriza publicações em caso de grave e urgente necessidade pública. “A atitude da Prefeitura é, no mínimo, precipitada, para não dizer irresponsável”, escreveu. Guilherme Luiz (PSOL) denunciou a situação ao MPSC. “Sustentei que o site oficial da Prefeitura está fora do ar e que as redes sociais devem permanecer informando a população em uma situação tão delicada. Por isso, pedi que o MPSC exija o retorno imediato das redes sociais”, registrou.

Em rede social, o secretário municipal de Comunicação, Marco Aurélio Braga, disse que um de seus objetivos é entregar o comando da comunicação da Prefeitura sem responder nenhum processo judicial. “Sou um legalista convicto”, disse. Para O Mirante, secretário disse que estuda a criação de uma página voltada para divulgar informações sobre a covid-19.


A política em Joinville é uma coluna informativa sobre o cenário político da cidade. Diariamente, a equipe de O Mirante destaca os principais acontecimentos do momento (do dia ou da semana). Atualmente, o editor Felipe Silveira é o responsável por ela. Você pode contribuir com pautas, com divulgação e com R$ 1 (ou mais), colaborando com nossa campanha. Saiba mais clicando na imagem abaixo.