A política em Joinville: Meio ambiente aparece na pauta eleitoral

Por Felipe Silveira
Foto: Mauro Artur Schlieck/CVJ

Das entrevistas com pré-candidatos à imprensa, a de James Schroeder (PDT) ao jornal Aconteceu em Joinville é uma das mais interessantes. Vereador com três mandatos consecutivos, ele decidiu se lançar na disputa à Prefeitura antes mesmo da saída de Rodrigo Bornholdt do partido. Mas, com a saída do político que havia representado a sigla em eleições anteriores, ficou mais fácil para James participar do pleito.

A entrevista mostra que James pode qualificar o debate eleitoral joinvilense. Federalização do Hospital São José, criação de escolas inspiradas nos Cieps darcy-brizolistas, gestão popular de espaços esportivos foram temas que chamaram a atenção. Porém, um deles chamou ainda mais. O meio ambiente entrou na pauta. Talvez não tenha sido a primeira vez, pois não é possível acompanhar todas as manifestações dos pré-candidatos, mas foi a primeira que chamou a atenção da coluna por uma proposta diferenciada.

Engenheiro agrônomo com especialização em Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente e servidor público com experiência na área, James trouxe uma proposta diferente ao falar de transporte público. Para baratear a passagem, propõe o uso de biodiesel a partir do lixo, resolvendo, por tabela, o esgotamento do aterro sanitário. Também falou em VLTs, plano de arborização, incentivo ao uso de transporte público, com ampliação dos corredores de ônibus, e incentivo ao deslocamento não-motorizado.

Diante da importância que tem, o tema ecológico é muito pouco debatido no mundo e no Brasil. Em Joinville, muito menos. Com o planeta pegando fogo, este deveria ser o tema de debates de manhã, de tarde e de noite. No entanto, aparece apenas uma ou duas vezes por semana no noticiário nacional.

Ecologia vs Economia

Políticos evitam o tema porque é mais confortável, mas há um conflito escancarado (há quase um século) entre ecologia e economia. O aquecimento global é resultado direto do modo de produção capitalista e do modelo de reprodução da vida que ele impõe, goste-se ou não. Enfrentar a questão ambiental, portanto, exige pontuar essa questão. Outra forma é tangenciar o tema.

James Schroeder nunca comprou grandes brigas em seus quase 12 anos de legislativo. Teve posicionamentos firmes, sim, mas sempre se apresentou como um conciliador. A entrevista mencionada nesta edição não indica mudança no perfil. As propostas sobre meio ambiente não conflituam com a produção industrial, citando apenas uma das possibilidades. Mesmo assim, é positivo que o tema entre em pauta.

Quem será o negacionista?

Como muitos pré-candidatos joinvilenses querem representar o bolsonarismo na corrida local, é possível que surjam negacionistas do clima, como são chamados aqueles que negam o aquecimento global. Quem será?

Em busca de apoio

Nelson Coelho, vice-prefeito de Joinville e pré-candidato a prefeito pelo Patriotas, esteve em Brasília na terça-feira (16). Vice-decorativo (com pouco prestígio) no segundo mandato de Udo Döhler, aposta todas suas fichas no bolsonarismo para ocupar o gabinete principal da Hermann Lepper. Deve voltar com algum apoio da Capital Federal.

Coelho esteve reunido com Abraham Weintraub, no Ministério da Educação, naquele que deve ter sido o pior dia do ministro à frente da pasta. Chamado de vacilão por Bolsonaro — “não foi muito prudente”, nas palavras do presidente —, Weintraub se prepara para uma queda que parece ser iminente.

Abraham Weintraub, que se encontrou com o vice-prefeito de Joinville na terça-feira, teve um dia terrível – Foto: Facebook do pré-candidato

Coelho foi recepcionado pelo deputado federal Daniel Freitas (PSL), que o levou para conhecer, além de Weintraub, a ministra Damares Alves (Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos), com a ministra Tereza Cristina (Agricultura) e com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL).

Codinome

Ainda sobre meio ambiente, é preciso dizer que o tema é constantemente debatido, mas nem sempre é chamado pelo nome. Vamos a um exemplo. O terreno à rua Santa Catarina, sobre o qual a rede de lojas Havan quer construir uma unidade, era um lindo morro preservado pela cota 40. Mas, debate vai, debate vem, autorizaram mineração e derrubaram o morro. Agora, o que é só um terreno pelado, permanece em área protegida, mas vão acabar liberando a construção. Em poucos tempo, a floresta que sempre esteve ali sumiu.

Muito se ouve falar das liberações da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (Sama) em Joinville, mas quase nunca se discute as questões ambientais envolvidas em cada uma delas.

Ciclofaixas

Outra questão relacionada ao meio ambiente é a promoção do transporte não-motorizado, como as bicicletas. Na reunião da Comissão de Urbanismo da CVJ na terça-feira (16), representantes do Movimento Pedala Joinville reclamaram que a Secretaria de Planejamento Urbano (Sepud) prometeu, mas ainda não implantou, ciclofaixas em três vias de Pirabeiraba.

Para o presidente do Pedala Joinville, Luiz Antonio Carletto, a implantação ainda não foi efetuada para atender o interesse dos comerciantes que não querem perder vagas de estacionamento.

Lamentável

Em entrevista à Rádio Globo Joinville, o prefeito Udo Döhler reafirmou uma declaração lamentável sobre a pandemia de coronavírus. “Ninguém morre com menos de 60”, disse, argumentando que só morrem pessoas com idade inferior que já têm problemas de saúde.

Não é verdade. Das 13 vítimas fatais registradas em SC na terça-feira, cinco tinham menos de 60 anos. E nem todas tinham problemas de saúde. Mas, mesmo que tivessem, não significa que teriam morrido se não tivessem sido contaminadas. Elas continuariam a levar a vida com os cuidados que tomavam antes. Além disso, mais pessoas com menos de 60 contaminadas representam um maior risco de contágio para pessoas mais idosas.


A política em Joinville é uma coluna informativa sobre o cenário político da cidade. Diariamente, a equipe de O Mirante destaca os principais acontecimentos do momento (do dia ou da semana). Atualmente, o editor Felipe Silveira é o responsável por ela. Você pode contribuir com pautas, com divulgação e com R$ 1 (ou mais), colaborando com nossa campanha. Saiba mais clicando na imagem abaixo.