A política em Joinville: Novo embate entre Udo e Sinsej

Por Felipe Silveira
Foto: Sinsej

Teve início nas últimas semanas mais uma queda de braço entre Prefeitura e Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville e Região (Sinsej). E, nesta segunda-feira (15), a disputa fica mais acirrada. Isso porque será debatido, em reunião conjunta das comissões de Legislação, Finanças, Saúde e Previdência na Câmara de Vereadores, o Projeto de Lei 58/2020.

De acordo com a proposta, a Prefeitura poderá suspender os pagamentos das contribuições previdenciárias patronais com vencimentos entre 1º de março e 31 de dezembro de 2020, possibilidade prevista no artigo 9 da Lei Complementar 173/2020, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus.

Para a reunião por vídeo-conferência, com início marcado para as 15 horas, foram convidados representantes do Sinsej, do Ipreville e da Secretaria de Fazenda. A atividade, assim como outras da casa legislativa, será transmitida ao vivo pelo Youtube.

Não é de hoje que governo e servidores discutem por questões relacionadas ao Instituto de Previdência de Joinville. A dívida da Prefeitura com a entidade que administra os fundos dos servidores públicos ultrapassou R$ 1 bilhão no início deste ano. De tempos em tempos, a Prefeitura consegue aprovar novos parcelamentos da dívida, aumentando ainda mais o rombo. Isso aconteceu, segundo o Sinsej, nos governos de Luiz Henrique da Silveira, Marco Tebaldi, Carlito Merss e, por fim, “o campeão”, Udo Döhler. As aspas são dos servidores.

Sem final

O primeiro duelo do ano entre prefeito e servidores não chegou ao fim. Para forçar o prefeito a sentar à mesa e negociar, no início deste ano, houve greve e ocupação de gabinete.  O sindicato tinha pressa, temendo que a Prefeitura usasse o ano eleitoral como desculpa para não reajustar os salários.

Udo não cedeu. Marcou a reunião para o dia 16 de março e a manteve. No encontro (na foto acima), fez propostas que não agradaram à categoria, que indicava a continuidade da mobilização. Com o agravamento da pandemia de coronavírus, as negociações foram suspensas.

Há quem considere que Udo ganhou a primeira batalha pela teimosia. Por outro lado, a direção do Sinsej, composta majoritariamente por mulheres, tendo à frente Jane Becker, mostrou disposição para a batalha. Venceu batalhas na Câmara e mobilizou a categoria.


ACTs e transporte em pauta

Os servidores voltam à Câmara (online, obviamente) na terça-feira (16), às 14 horas, para a reunião extraordinária da Comissão de Cidadania. Será continuado o debate sobre a situação dos professores admitidos em caráter temporário (ACTs). O objetivo do encontro é que a Secretaria de Gestão de Pessoas responda aos questionamentos sobre contratos.

A mesma comissão discute, na quarta-feira (17), o retorno do transporte coletivo na cidade. Os vereadores querem saber como os ônibus e terminais estão sendo higienizados e quais as medidas adotadas para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. Foram convidados representantes das empresas que operam (sem licitação, é sempre bom lembrar) o transporte coletivo municipal e da Secretaria de Saúde.


Furou

Pela segunda vez consecutiva, o representante do consórcio que executa a obra de macrodrenagem do rio Mathias, Márcio Luiz Martins, não compareceu à reunião da Comissão de Urbanismo para a qual fora convidado. Na primeira, o consórcio foi representado por um advogado. No segundo encontro, na última terça-feira (9), o empresário mandou um ofício para justificar a ausência.

O documento ainda reafirmava que as obras não foram abandonadas, mas apenas paralisadas nas frentes de serviços da Rua Visconde de Taunay e Jerônimo Coelho por causa de “ausência de solução de problemas por parte da contratante no projeto na implantação de galerias”.

Fora Bolsonaro

O PT de Joinville definiu, no sábado (13), que vai realizar uma campanha “Fora Bolsonaro”. Além de materiais próprios, impressos e digitais, o partido se junta a movimentos sociais, sindicatos e outros partidos políticos em um ato que ainda será anunciado. O encontro contou com participação do deputado federal Pedro Uczai, que defende o isolamento social, mas também acredita na necessidade de tomar as ruas em defesa da vida e da democracia. Portanto, contra Bolsonaro.

Redes sociais

Francisco de Assis, pré-candidato a prefeito pelo PT, tem usado bem as redes sociais. No Twitter, criticou sem citar nomes o adversário que quer a unificação das eleições em 2020, com prorrogação dos mandatos atuais. No Facebook e no Instagram, compartilhou uma captura de tela do comentário no Twitter. A prática ajuda a divulgar uma rede na outra. Ele também mobilizou militantes na divulgação de seu canal no Youtube. Até o ex-prefeito Carlito Merss participou.

Eleição unificada

Assis criticava o deputado federal Darci de Matos (PSD), que publicou, no domingo (14), um vídeo sobre o tema no Facebook. O pessedista, que deve ser candidato à Prefeitura, será o tema principal em uma das próximas edições da coluna. Se consolidar a candidatura, será um dos concorrentes mais fortes.

Financiamento

O psolista Leonel Camasão, que foi candidato à Prefeitura de Joinville em 2012 e ao governo do estado em 2018, tem construído sua carreira política em Florianópolis. Candidato a vereador na capital, tem comemorado a adesão à campanha de financiamento nas redes sociais. Já arrecadou R$ 6 mil e pretende somar R$ 17,5 mil. Com as novas regras de financiamento eleitoral, a mobilização prévia tende a fazer diferença.


A política em Joinville é uma coluna informativa sobre o cenário político da cidade. Diariamente, a equipe de O Mirante destaca os principais acontecimentos do momento (do dia ou da semana). Atualmente, o editor Felipe Silveira é o responsável por ela. Você pode contribuir com pautas, com divulgação e com R$ 1 (ou mais), colaborando com nossa campanha. Saiba mais clicando na imagem abaixo.