A política em Joinville: O PSL se movimenta

Por Felipe Silveira
Foto: Daniella Coriolano/Agência Alesc

O Partido Social Liberal (PSL), sigla pela qual se elegeram Jair Bolsonaro, Carlos Moisés e mais um monte de deputados federais e estaduais pelo Brasil, se movimenta em Joinville, tentando se consolidar após a cisão com o bolsonarismo. Na página oficial do partido no Facebook, foi compartilhada uma matéria do jornal A Notícia que destaca a pré-candidatura do médico Dalmo Claro à Prefeitura de Joinville.

Não é de hoje que Dalmo busca um lugar ao sol na política joinvilense. Pelo então PMDB, foi candidato a deputado federal em 2010 e a deputado estadual 2014. Foi secretário estadual de Saúde no governo Raimundo Colombo, entre 2011 e 2013. Chegou a assumir um mandato na Alesc em 2015, como suplente do MDB, partido em que construiu sua trajetória. Dalmo também tem a trajetória ligada a uma entidade de saúde privada.

Derian Campos é o principal articulador do partido em Joinville – Foto: Rede social de Derian

E se Dalmo buscava uma plataforma para sua candidatura, o PSL também estava atrás de um candidato. Antes do “racha” com o bolsonarismo, o deputado federal Armando e o secretário estadual Derian Campos se digladiavam para saber quem seria o candidato na cidade, disputa que foi resolvida pela conjuntura nacional. Porém, Derian, o articulador local do partido, também parece ter desistido da candidatura.

Assim, o partido foi atrás de nomes mais conhecidos para a tarefa. Uma das primeiras tentativas foi com o ex-pedetista Rodrigo Bornholdt, que chegou a anunciar a pré-candidatura pela sigla, surpreendendo boa parte das pessoas que acompanham a política local. O próprio Bornholdt notou que o movimento não tinha muito pé nem cabeça e desistiu. Agora, já filiado ao PSB, ainda não pode concorrer (e não poderá, se a regra eleitoral não mudar), mas parece confortável na sigla. Pouco tempo depois surgiu o nome de Dalmo como o nome do partido no burburinho político regional.

Acumulou

Derian Campos saiu do governo, mas deixou alguém do seu grupo no lugar. Douglas Gonçalves foi nomeado, na segunda-feira (8), a Secretaria de Assuntos Internacionais. Ele, que já era o gerente de Relações Institucionais da pasta, acumula o cargo.

Não gostou

Em comentários no Twitter sobre a saída do governo, Derian registrou que “decisões políticas alinhadas com MDB e outros partidos convencionalmente de esquerda” não lhe agradaram.

Cabe registrar que, desde o fim do ano passado e até o começo desse ano, havia um namorico entre o prefeito de Joinville, Udo Döhler, e o governador Carlos Moisés, algo que poderia ter consequências eleitorais na cidade. Mas parece que essa relação esfriou.

Fábrica de comunistas

Alguns setores da direita joinvilense tratam os cursos de comunicação da Faculdade Ielusc como uma “fábrica de comunistas”, já que boa parte dos jovens estudantes costuma atuar, em alguns debates públicos, na defesa de valores progressistas. Com talento para se comunicar, uma sólida base teórica e a vontade de mudar o mundo que move bons jornalistas, eles se destacam na multidão.

Mas relacionar o curso mantido pelos luteranos do município com a esquerda é calúnia, pois sempre houve diversidade política no corpo docente e discente da instituição. Se há, de fato, expoentes da esquerda estadual com origem no curso, como o jornalista Leonel Camasão, candidato ao governo de SC pelo PSOL em 2018, há nomes à direita. Kennedy Nunes (PSD), que hoje faz de tudo para se atrelar ao bolsonarismo e nunca foi de esquerda, foi presidente do diretório acadêmico. Agora, Douglas Gonçalves é outro egresso da instituição a alçar voo na política. Ele estudava publicidade e propaganda e, antes de se juntar ao movimento que colocou Bolsonaro no poder, integrava o PV local.

Tânia Larson migrou para o PSL na última janela de troca – Foto de Mauro Arthur Schlieck/CVJ

Social, liberal e animal

O PSL também passou a contar, recentemente, com uma cadeira na Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ). Tânia Larson, que se elegeu pelo Solidariedade, migrou para o PSL na última janela de troca, em abril. Por coincidência, as duas vereadoras da causa animal deixaram seus partidos. Tânia foi para o PSL e Ana Rita Hermes, eleita pelo PROS, migrou para o Cidadania.

Extraordinária

Nesta terça-feira (9), às 14 horas, ocorre reunião extraordinária da Comissão de Cidadania. Em pauta a suposta antecipação do término de contratos dos professores admitidos em caráter temporário (ACT) no ensino público municipal. Foram convidados a Secretaria de Educação e o Sinsej. Na sequência, às 15 horas, a Comissão de Urbanismo discute a obra de macrodrenagem do rio Mathias.

Fim das diárias

A Comissão de Legislação aprovou, na segunda-feira (8), uma proposta que tem como objetivo acabar com as diárias de viagens para os vereadores. Para isso, o Projeto de Lei 220/2019 revoga a Lei 5.437/2006, que fixou as normas para o pagamento de diárias aos parlamentares do legislativo municipal. A proposta é do vereador Wilson Paraíba (PROS). O vereador Odir Nunes (PSDB) assinou o parecer favorável na Comissão de Legislação. O projeto de lei ainda tem que ser aprovado no Plenário.

Críticas e indicações

Já mencionado nesta coluna, Rodrigo Bornholdt (PSB) está atuante nas redes sociais. Elogiou a torcida antifascista do JEC e criticou, em vídeo, a ocultação de dados da covid-19 pelo governo federal. “Ocultar informações é coisa de governo ditatorial”, registrou. Na segunda (8), indicou o filme “Mississipi em Chamas” e o livro “O sol é para todos”, dois clássicos que abordam a temática do racismo.

Defesa da imprensa

Tânia Eberhardt, pré-candidata pelo Cidadania, lembrou, no sábado (7), do Dia Nacional da Liberdade de Imprensa. Em um momento de constantes ataques à imprensa, a defesa feita por Tânia merece registro.


A política em Joinville é uma coluna informativa sobre o cenário político da cidade. Diariamente, a equipe de O Mirante destaca os principais acontecimentos do momento (do dia ou da semana). Atualmente, o editor Felipe Silveira é o responsável por ela. Você pode contribuir com pautas, com divulgação e com R$ 1 (ou mais), colaborando com nossa campanha. Saiba mais clicando na imagem abaixo.