A política em Joinville: No meio do caminho tinha uma obra

Por Felipe Silveira
Foto: Prefeitura

A obra de macrodrenagem do rio Mathias volta à pauta da Câmara de Vereadores nesta terça-feira (2). O secretário da Infraestrutura, Romualdo França, é o convidado da Comissão de Urbanismo, que se reúne às 15 horas. Há duas semanas, a oposição voltou a pedir uma CPI para investigar os trabalhos, tema que havia sido proposto no ano passado.

Sem dúvida, a obra é a grande pedra no sapato da gestão municipal. De complexidade média, gerou estresse por onde lentamente passou. Atrapalhou moradores e deu prejuízo para os setores de comércio e serviços da região central, como na Via Gastronômica. Em alguns momentos a obra chegou a andar mais rápido, mas aparenta nunca ter fim.

A oposição na Câmara, que se consolidou como bloco do ano passado para cá, sempre fez duras críticas aos problemas da obra. Representantes do Poder Público e responsáveis pela obra foram e voltaram de audiências e reuniões na CVJ. Agora, com muita reclamação dos moradores e empresários centrais, o tema volta à tona. Na semana passada, o vereador Mauricio Peixer publicou um vídeo em que denuncia uma nova paralisação da obra.

O pior é que a canalização de rios sempre foi uma péssima ideia, criticada por ambientalistas e urbanistas. Comum no século passado, a política tem sido revista em cidades mundo afora.

Prejuízo estético

Como se não bastasse toda a dor de cabeça provocada pela obra, ainda foi construída uma casamata ridícula próxima do monumento à barca Colon, na frente da Prefeitura de Joinville. Aquela região, que é muito bonita, também ficou no prejuízo estético por conta da interminável obra do rio Mathias.

Entrelinhas

Adriano Bornschein Silva, pré-candidato à Prefeitura pelo Novo, compartilhou uma crítica velada ao Supremo Tribunal Federal (STF). A postagem da página do Novo Joinville traz um pequeno texto em pede rito processual correto, destacando que a vítima não pode denunciar, investigar e julgar. Sem mencionar, faz alusão ao inquérito das fake news, conduzido pelo ministro Alexandre de Moraes. Não deixa de ser um alinhamento, embora tímido, às críticas feitas por Jair Bolsonaro à suprema corte.

Contudo, em outras postagens o joinvilense elogia o ex-ministro Sérgio Moro, cujo vazamento de informações mostrou que interferia em pelo menos um dos processos que julgava, conspirando com procuradores da operação Lava Jato.

Crítica

O juiz João Marcos Buch questiona, pelas redes sociais, por que jornalistas não falam do racismo estrutural no Brasil a partir do sistema prisional, como alguns têm feitos em relação aos Estados Unidos.

Criação de setor

O vereador Odir Nunes, que também é pré-candidato à Prefeitura pelo PSDB, sugere a criação de Setor Especial de Interesse Industrial Misto na zona Norte de Joinville. A ideia com o PLC 14/2020 é, segundo o autor, gerar emprego e renda na região. Se aprovado, permitirá mais empreendimentos comerciais e residenciais na região em que o parlamentar tem sua base eleitoral.

UTIs

A deputada estadual Luciane Carminatti (PT) reivindicou mais leitos de UTI neonatal para Santa Catarina. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, faltam pelo menos 180 vagas em hospitais públicos de Santa Catarina. Atualmente, existem cerca de 157, concentrados em poucos municípios, o que deixa a maior parte da população sem leitos de UTI Neonatal onde mora.


A política em Joinville é uma coluna informativa sobre o cenário político da cidade. Diariamente, a equipe de O Mirante destaca os principais acontecimentos do momento (do dia ou da semana). Atualmente, o editor Felipe Silveira é o responsável por ela. Você pode contribuir com pautas, com divulgação e com R$ 1 (ou mais), colaborando com nossa campanha. Saiba mais clicando na imagem abaixo.