A política em Joinville: Esquerda reage à declaração de Udo

Por Felipe Silveira
Foto: PT Joinville/Divulgação

Repercutiu mal a declaração do prefeito Udo Döhler em que defende a “imunidade de rebanho”, método rechaçado por cientistas quando o tema é o combate à pandemia de coronavírus. Entre os leitores de O Mirante, causou revolta, sobretudo a afirmação de que ninguém morre com menos de 60 anos. No entanto, a resposta institucional ficou abaixo do esperado, diante da gravidade da proposta. Poucas organizações se manifestaram.

Em redes sociais, apenas o PT de Joinville deu uma resposta direta ao comentário, entre os partidos. O presidente municipal da sigla, Francisco de Assis, gravou um vídeo com uma dura crítica ao prefeito, destacando que a cidade teve seis mortes apenas nesta semana.

O Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville e Região (Sinsej), cuja direção é de esquerda, publicou uma nota de repúdio à declaração. A entidade classificou a declaração como terrível e cruel.

O PSOL Joinville também publicou uma nota em que, embora não faça menção direta ao comentário do prefeito, faz críticas ao mandatário municipal. O partido cita a reunião em Joinville e demonstra preocupação, sobretudo, com o retorno do transporte coletivo. O PSOL também fez uma série de propostas de combate à pandemia.

Sem atualização

É possível que alguns comentários sobre a declaração de Udo não tenham sido captados pelo radar de O Mirante, que fez uma rápida busca pela internet. E nesse processo, chama a atenção a condição precária de comunicação de alguns partidos. Há siglas que não mantêm páginas nas redes sociais. Outras não atualizam há muitos meses. Este é um problema antigo em Joinville, que não se restringe à política. Quem não se comunica não pode reclamar da baixa adesão aos seus projetos.

No #tbt, Tânia publicou a lembrança de uma visita à França – Foto: Rede social

Campanha ativa

Por outro lado, há quem esteja fazendo um ótimo trabalho nas redes sociais. Tânia Eberhardt (Cidadania) é uma das poucas pré-candidatas à Prefeitura que mantém a campanha quente nas redes. Faz lives e publica comentários sobre variados temas. Entre as quatro publicações na quinta-feira, teve até um #tbt na França. Contudo, mais posicionada ao centro, não entra em muitas polêmicas. Pelo perfil diferente, Tânia promete chamar a atenção na disputa eleitoral deste ano (se houver eleição).

Representa

A jornalista e produtora cultural Iraci Seefeldt tem participado de lives joinvilenses. Ela já conversou com a própria Tânia Eberhardt e com o jovem psolista Guilherme Luiz, além de ter dado entrevista para o blog de opinião Chuva Ácida. O tema principal das conversas tem sido a política cultural de Joinville e Iraci denuncia o descaso da atual gestão municipal com o setor. Entre artistas (e outros agentes culturais), é grande a revolta com Udo Döhler.

Falando em cultura

Rodrigo Coelho (PSB) e Darci de Matos (PSD) votaram a favor do PL 1075/2020, que cria medidas emergenciais e destina R$ 3 bilhões para o setor cultural, através de recursos já disponíveis no Fundo Nacional de Cultura. Houve muita mobilização do setor pela aprovação.

Não será candidato

Muita gente ainda trata Rodrigo Coelho como um dos pré-candidatos favoritos à Prefeitura de Joinville. Ele nem será. Depois de brigar e tentar sair do partido, ficou mesmo no PSB e o clima para a candidatura esfriou. O deputado é muito atuante em Brasília. Sairia muito à frente, entre os parlamentares, se rompesse com o bolsonarismo. Ficar ao lado de Jair Bolsonaro não é admissível para qualquer pessoa com apreço à democracia.

A situação de Kennedy Nunes (PSD) é similar. O deputado estadual fez tudo que pode para ser o nome do bolsonarismo, mas ficou mesmo no PSD e não há clima no partido para sua candidato. O político, que bateu na trave para ser prefeito de Joinville, queimou-se nessa guinada ao bolsonarismo.

Educação na Câmara

A educação em tempos de pandemia foi tema de debate na Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ). Representantes do Sinsej, do Sinpronorte e do Sinte participaram de reunião da Comissão de Educação. Eles denunciaram a sobrecarga (física, mental e emocional) dos professores a partir das novas dinâmicas educacionais que se estabeleceram por causa da pandemia. O repórter Lucas Koehler já fez matéria sobre o tema aqui no Mirante.

Homenagem

Emociantes os obituários, condensados em um só texto no jornal A Notícia, dos profissionais de saúde que foram vitimados pela covid-19 em Joinville. Entre os motivos para a valorização dos jornalistas está a sensibilidade única que alguns repórteres têm para contar essas histórias.


A política em Joinville é uma coluna informativa sobre o cenário político da cidade. Diariamente, a equipe de O Mirante destaca os principais acontecimentos do momento (do dia ou da semana). Atualmente, o editor Felipe Silveira é o responsável por ela. Você pode contribuir com pautas, com divulgação e com R$ 1 (ou mais), colaborando com nossa campanha. Saiba mais clicando na imagem abaixo.