Governo estadual sinaliza regionalização das ações de combate à covid-19

Em reunião virtual com participantes da Federação Catarinense de Municípios (Fecam) realizada na última sexta-feira (22), o governador Carlos Moisés (PSL) sinalizou a regionalização de decisões voltadas ao combate à covid-19 e a aproximação com os prefeitos das cidades do estado. O encontro contou com mais de 400 participantes, entre prefeitos, secretários e demais agentes públicos municipais e estaduais.

O governo do estado apresentou, na reunião, uma matriz avaliativa que possibilitará aos prefeitos avaliarem os riscos das regiões específicas do estado. Assim, a matriz apontará quais medidas poderão ser flexibilizadas e quais deverão ser mais restritivas, dando mais autonomia aos municípios para combater a doença.

Segundo os responsáveis, o estudo permite a observação criteriosa e dinâmica de acordo com as especificidades de cada região e o momento em que cada município se encontra durante a pandemia. Assim, com o estudo em mãos, os prefeitos teriam bases científicas que apontariam a prioridade de atuação.

“O que nós estamos apresentando hoje é algo que nós não temos no âmbito nacional mas que seria muito importante que tivéssemos, para subsidiar a tomada de decisão por parte dos prefeitos”, afirmou Carlos Moisés na reunião. Segundo o governador, a previsão é de que a matriz de risco esteja disponível para os prefeitos no dia 1° de junho.

A matriz exibe o estado dividido em regiões e classifica o risco potencial dos municípios a partir de cores, sendo que as regiões em azul apresentam risco moderado, as em amarelo têm risco alto, laranja para grave e vermelho para risco gravíssimo de proliferação de casos positivos para o novo coronavírus.

Segundo a matriz avaliativa, a região de Joinville se encontra na cor amarela, que indica alto risco. Embora a região apresente 679 casos e 23 mortes por covid-19, segundo o boletim divulgado pelo governo estadual no domingo (24), a avaliação da região permitiria o retorno do transporte coletivo urbano e rodoviário, adaptação para a liberação de eventos públicos, liberação de cinemas, teatros, casas de espetáculos, galerias comerciais, shoppings, templos religiosos e igrejas, bares e outros serviços de alimentação.

A liberação, de acordo com a matriz, se daria mediante regulamentação de medidas de distanciamento social, sanitização e higienização.

De acordo com o presidente da Associação de Municípios do Nordeste de Santa Catarina (Amunesc) e prefeito de Garuva, Rodrigo Adriany David, as medidas restritivas e de isolamento devem ser diferentes para os municípios do estado, uma vez que a realidade e as características dos mesmos não são iguais.

“Na reunião de hoje tivemos uma sinalização positiva de que o estado dará às prefeituras a autonomia para a liberação das atividades que cada município julgar pertinente, de acordo com a realidade de cada região”, disse o prefeito de Garuva.

Já o presidente da Fecam e prefeito de Caçador, Paulo Sperotto, afirmou que é necessário cautela para o retorno de atividades necessárias. “Precisamos regular com critérios e segurança os processos para retorno do transporte e do ensino regular”, declarou.


Edição: Fernando Costa
Foto e informações: Amunesc