Com 995 casos confirmados em abril, dengue explode em Joinville

Passaram-se apenas 87 dias entre o registro do primeiro caso de dengue em Joinville, em 3 de fevereiro, e o número atual, de 1.202 casos confirmados nesta quarta-feira (29). Além dos registros positivos, 1.729 pessoas aguardam resultados dos exames da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Não houve mortes registradas pela doença na cidade.

Os números de 2020 já são muito superiores aos do ano passado. Em 2019, foram quatro casos de dengue autóctone (com transmissão dentro do município) e 14 importados (que contraíram a doença fora do município). Já a quantidade de focos do mosquito Aedes aegypti chegou a 3.328 no ano anterior. Neste ano, já ultrapassou os 2 mil focos.

O número de casos explodiu mesmo em abril. No dia 31 de março, o número de casos não passava de 207. Mais do que triplicaram até a metade de abril, quando o total chegou a 592, no dia 15. Agora, antes mesmo do final do mês, mais do que duplicaram, chegando a atual marca de 1.202. Foram, portanto, 995 casos confirmados neste mês.

O bairro com o maior número de casos é o Comasa, com 387 casos. A situação também é grave no Jarivatuba, com 182 registros. Em terceiro lugar está o Guanabara, com 129. Os três bairros são os únicos com mais de uma centena de casos. Na sequência estão os bairros Jardim Iririú (69), Boa Vista (61) e Fátima (59).

Já o número de focos do mosquito ultrapassou a marca de 2 mil neste ano. As maiores quantidades estão nos bairros Aventureiro (154), Boa Vista (128), Comasa (115), Itaum (107), Jardim Iririú (82) e Boehmerwald (81). Estes são apenas os focos encontrados pelas equipes da Vigilância Sanitária nas ações de fiscalização.

Medidas contra a doença

Aplicação de adulticida em Joinville

Para combater a doença, é necessário eliminar os acúmulos de água parada, onde os mosquitos procriam. Para isso, as autoridades sanitárias pedem colaboração da população, que deve eliminar as possibilidades de acúmulo nas residências, dentro e fora de casa. Os recipientes mais comuns são pneus sem uso, latas, garrafas, pratos dos vasos de plantas, caixas d’água descobertas, calhas, piscinas e vasos sanitários sem uso.

A Prefeitura também promoveu ações de orientação e limpeza nos bairros mais infestados por focos do mosquito. Até drones foram utilizados na busca por focos do mosquito.

Além disso, desde o início de março é feita a aplicação de adulticida. Uma equipe de agentes de combate a endemias da Vigilância Ambiental trabalha na pulverização do produto químico. É uma medida paliativa, já que não elimina os ovos do mosquito. O serviço é realizado com a utilização de uma camionete que circula pelos bairros e pulveriza o produto. Em áreas menores, os agentes fazem a aplicação manualmente.

O acúmulo e o descarte inadequado de lixo doméstico, móveis e resíduos de materiais de construção, em terrenos públicos e particulares, são um dos principais fatores que contribuem para o surgimento de novos focos do mosquito. A coleta de móveis, eletrodomésticos inservíveis e animais mortos pode ser solicitada e agendada gratuitamente junto à empresa Ambiental, responsável pela limpeza urbana de Joinville, pelo telefone (47) 3441-0400, de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas.

Outras medidas

Além dos cuidados com o lixo e com outros recipientes que acumulam água, a população deve adotar outras medidas preventivas para combater o mosquito e prevenir a dengue: tratar a água de piscinas com cloro, pelo menos uma vez por semana; retirar os pratinhos debaixo dos vasos de plantas; verificar a vedação da caixa d’água; colocar tela de proteção nos ladrões e nas caixas de passagem; higienizar semanalmente os potes de alimentos dos animais com bucha; desobstruir as calhas d’água; usar repelente.

Sintomas

Os moradores do bairro devem ficar atentos aos sintomas da doença, que são febre alta, náuseas e vômitos, dor de cabeça e no fundo dos olhos, manchas vermelhas na pele, mal-estar e cansaço extremo, dor abdominal, nos ossos e nas articulações. Pessoas com sintomas devem procurar as unidades de saúde destinadas para o atendimento de pacientes com dengue. Veja quais ao final da matéria.

Web Saúde

Desde segunda-feira (27), o canal Web Saúde, mantido pela Secretaria de Saúde de Joinville pelo WhatsApp, também presta atendimento sobre a dengue. Interessados devem adicionar o número 3481-5165 e digitar o número 1 para obter atendimento sobre a doença. O atendimento pode ser feito via áudio, texto ou vídeo, conforme for mais adequado ao usuário. O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 7 às 22 horas.

UBSFs

A Secretaria da Saúde de Joinville reorganizou o fluxo de atendimento para pessoas que apresentarem sintomas de dengue, zika vírus e febre chikungunya, devido às mudanças causadas na saúde pública por causa do coronavírus.  As unidades com atendimento para sintomas da dengue estão abaixo, mas recomenda-se que o pacientes chequem pelo serviço Web Saúde, evitando surpresas com alterações.

Distrito Sul
UBSF Adhemar Garcia
UBSF Edla Jordan
UBSF Fátima
UBSF Floresta
UBSF Jarivatuba

Distrito Centro
UBSF Bakhita
UBSF Bucarein
UBSF Parque Joinville
UBSF Saguaçu
UBSF Dom Gregório

Distrito Norte
UBSF Costa e Silva
UBSF Jardim Paraíso I e 2
UBSF Pirabeiraba
UBSF São Marcos
UBSF Vila Nova


Texto: Felipe Silveira
Fotos: Rogerio da Silva/Prefeitura
Informações: Prefeitura