Saúde estima número 10 vezes maior de infectados pela covid-19

A reunião da Comissão Especial da covid-19 da Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ) da última segunda-feira (27) contou com a participação do secretário da Saúde de Joinville, Jean Rodrigues da Silva. Jean respondeu a perguntas dos vereadores sobre as ações do Executivo Municipal para enfrentar o novo coronavírus (covid-19).

De acordo com o secretário, Joinville tem, atualmente, um total de 201 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), contando as redes públicas e privada. Desse total, 65 estão reservados para atendimento exclusivo de pacientes com a covid-19. Esses leitos atenderão também pacientes de Araquari, Barra do Sul, Garuva, Itapoá, Barra Velha e São João de Itaperiú.

“Estamos trabalhando para ter mais 35 leitos exclusivos para pacientes com covid-19 até 15 a 20 de maio. Para isso precisamos de ajuda do governo estadual e federal para acessar respirados, e eu não estou falando do recurso, e sim de efetivamente ter os aparelhos”, disse Jean.

Além dos leitos de UTI, o secretário afirmou que Joinville possui 290 leitos de enfermaria exclusivos para o tratamento do novo coronavírus.

Projeções da covid-19 em Joinville

Segundo o secretário, a Secretaria de Saúde estima que o município tem atualmente 10 vezes mais pessoas infectadas do que o número oficial de confirmados. A diferença entre a projeção e os números oficiais se dá, principalmente, pela falta de testes disponíveis.

A projeção da Secretaria da Saúde é que até meados de julho a cidade tenha 524 casos confirmados, mantendo-se esse ritmo de testagem. Entretanto, de acordo com Jean, o município terá mais confirmações, já que número de exames vai aumentar, podendo chegar a 5.240 casos. “A gente espera que essa projeção não se confirme, mas esses são os números com que estamos trabalhando para dimensionamento da rede de saúde”, afirmou.

Testes rápidos

O município já concluiu uma licitação para a compra de testes rápidos de covid-19 para aplicação em massa. Cada teste rápido custou R$ 90, conforme Jean, um valor baixo, já que o valor de mercado dos testes está entre R$ 180 e R$ 200. Os testes, entretanto, ainda não chegaram.

O objetivo da secretaria de Saúde é testar 60 mil joinvilenses nos próximos 90 dias. Segundo o secretário, são 18 mil testes rápidos no modelo sorológico, que consegue identificar se a paciente já teve o covid-19 ou se ainda tem, e mais 6 mil testes de biologia molecular comprados.

O município também está trabalhando em uma licitação para a compra de mais 12 mil testes rápidos. A iniciativa privada sinalizou a compra de aproximadamente 8 mil testes. O resto que falta para fechar os 60 mil ainda está em análise se será adquirido por meio de convênio com governo do estado ou pelo município. “Nossa ideia é chegar a 10% da população de Joinville testada”, disse o secretário.

Receitas e despesas para enfrentamento da pandemia

De acordo com o secretário, o município recebeu, até o momento, R$ 12,5 milhões para o enfrentamento ao novo coronavírus, sendo R$ 10 milhões de repasses do Ministério da Saúde e R$ 2,5 milhões em recursos recebidos da Câmara de Vereadores de Joinville.

A Câmara prometeu a destinação de 8 milhões de recursos economizados do orçamento da Casa para o combate ao coronavírus, mas parte desses recursos ainda não chegou efetivamente à Secretaria de Saúde.

Segundo Jean, o governo do estado deve repassar R$ 4 milhões ao Hospital Municipal São José, mas esse recurso ainda não está disponível, assim como R$ 1,3 milhão de uma emenda federal que também não está disponível ainda. Os gastos municipais com o combate ao coronavírus já somam R$ 10,9 milhões.

Distribuição de máscaras

O secretário Jean afirmou que o município vai distribuir, a partir do dia 4 de maio, máscaras de tecido para os joinvilenses. Ao todo, serão distribuídas 500 mil máscaras caseiras de tecido à população, limitadas a duas unidades por CPF. A distribuição será feita por supermercados que se inscreveram por meio de um chamamento público feito pela Prefeitura.


Edição: Fernando Costa
Foto: CVJ
Informações: Divisão de Jornalismo da CVJ