Joinville é a sétima cidade que mais gerou empregos no país em 2019

A geração de empregos segue lenta no Brasil, mas algumas “cidades motores” puxam a média para cima. Uma delas é Joinville, a sétima no ranking de vagas criadas em 2019. Foram criados 6.656 novos empregos ao longo do ano. Os dados, divulgados na sexta-feira (24), são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Em diversos momentos, ao longo do ano passado, a cidade esteve na quinta posição, mas foi ultrapassada na reta final do ano. São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Brasília (DF), Manaus (AM) e Barueri (SP).

Para o presidente da Associação Empresarial de Joinville (Acij), “o aumento de vagas no setor de serviços, comércio e a recuperação da construção civil irão refletir no aumento da confiabilidade dos empresários para aportar investimentos”. Ele destacou também que, além de gerar vagas, a cidade registrou um grande número de abertura de empresa. Foram 71.386 CNPJs.

Geração de emprego em SC

Santa Catarina também fechou o ano como o terceiro estado que mais gerou emprego no país: 71.406 novos postos de trabalho criados em 2019. São Paulo ficou com a primeira colocação, com a geração de 184.133 vagas. Em segundo, Minas Gerais, com 97.720. Os dados de Santa Catarina mostram desempenho acumulado de 1.067.335 admissões e 995.929 desligamentos. Considerado os dados ajustados, o mercado de trabalho catarinense registrou um crescimento de 3,56%.

No Brasil, o saldo de 2019 foi o melhor dos últimos seis anos com a criação de 644.079 novos empregos. Os números absolutos confirmam 115 mil postos a mais do que o registrado em 2018.

Vagas intermitentes

Apesar dos dados positivos, é preciso observar que 16,5% das vagas criadas, cerca de 106 mil, são as chamadas intermitentes (ganho por hora trabalhada) ou de regime de tempo parcial (jornadas de trabalho menores), permitidas com a aprovação da reforma trabalhista, no final de 2017. Os dois modelos são objeto de crítica por reduzirem a qualidade do emprego, diminuindo as garantias e direitos trabalhistas.


Texto: Felipe Silveira
Foto: Divulgação