Coletivo promove debate sobre HIV nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira (6), às 19h30, o Coletivo Transcender promove o evento “Precisamos falar sobre o HIV – Informação é a melhor prevenção”, no anfiteatro da Univille. O objetivo é sensibilizar e informar a população LGBTQI+ de Joinville sobre a doença e o vírus HIV.

No encontro será exibido o documentário “Carta para Além dos Muros”, dirigido por André Canto (foto), que aborda a trajetória do vírus e da doença AIDS no Brasil durante a epidemia nas décadas de 1980 e 1990 até os dias de hoje. O documentário é uma homenagem ao escritor gaúcho Caio Fernando Abreu, que vivia com HIV e, em 1994, revelou publicamente sua sorologia. Ele falou sobre o HIV em uma série de crônicas em sua coluna no jornal O Estado de S. Paulo, chamada Carta para Além dos Muros. “O nosso filme é uma nova carta, em 2019, porque acredito que esse muro ainda está de pé e a gente precisa atravessá-lo”, afirma André Canto.

Além do filme, o evento contará com uma roda de conversa com a presença de ativistas e especialistas do assunto. Serão abordados métodos de prevenção, rotina de tratamentos, e claro, a desmistificação entre o vírus HIV e a doença AIDS.

O evento é gratuito, aberto a comunidade e conta com o apoio do Centro dos Direitos Humanos de Joinville Maria da Graça Braz.

O coletivo

Criado em 2018, o Coletivo Transcender tem o objetivo de unir o público LGBTQI+ e simpatizantes pela causa, fortalecendo a luta por visibilidade, respeito, autonomia e conquistas dos direitos das pessoas trans. De acordo com Terra Zap, ativista do grupo, a principal missão é engajar pessoas trans para além do estigmatizado cenário da prostituição, promovendo eventos, palestras e debates, a fim de fazer com que essas pessoas que estão normalmente à margem, ocuparem espaços acadêmicos, por exemplo.

Dezembro Vermelho

Em 1987, a ONU criou a campanha Dezembro Vermelho, com o intuito de dar visibilidade a luta contra a doença e para transmitir empatia e compreensão aos portadores do vírus que, até então não possuíam informações sobre tratamento e prevenção. Acabar com a epidemia de AIDS até 2030 é uma das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Segundo a entidade, cerca de 38 milhões de pessoas vivem com HIV atualmente.

Em 2018, entre os meses de janeiro e outubro, foram notificados 1.703 novos casos de infecção por HIV em Santa Catarina. No mesmo período de 2019, esse número foi de 1.648, sendo que a faixa etária mais acometida é de jovens adultos com idade entre 15 e 34 anos. Os homens são maioria, representando 75% do total de casos. Os dados são da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC), ligada à Secretaria de Saúde.

A DIVE destaca a importância do diagnóstico precoce para um tratamento eficaz. Os testes rápidos são realizados nas unidades de saúde, sem a necessidade de estrutura laboratorial, com a coleta de uma gota de sangue da ponta do dedo ou através da saliva. O resultado sai em, no máximo, 30 minutos.


Texto: Rodrigo Mahbub Santana
Foto: Unaids