Mosaico Adulto divulga primeira música com nova formação

A Mosaico Adulto apresentou, na quinta-feira (28), a nova música de trabalho da banda, que agora também conta com nova formação. “Dez mil horas” já está disponível em plataformas digitais, como Spotify, Deezer e Soundcloud, e outras duas canções inéditas serão lançadas neste semestre.

Com a saída do guitarrista Alvaro Scheid, de mudança para o Canadá, o grupo recebeu novo integrante e adotou, digamos, um novo “esquema tático”. O recém-chegado Jean Reeck assumiu o baixo que era de Paulo César Júnior, que, por sua vez, foi para a guitarra. O quarteto, então, tem Tiago Luis Pereira (guitarra e vocais), Paulo César (guitarra), Jean Reeck (baixo) e André Cidral (bateria).

Para Tiago, as mudanças abrem novas possibilidades musicais, já que tiram o grupo da zona de conforto. “A gente se acostuma e se acomoda com a maneira como os outros integrantes tocam. A gente ficou quase cinco anos tocando juntos e consegue, de certa forma, até prever como o outro cara ia tocar. Por outro lado também abre bastante expectativa, porque cada pessoa que está tocando seu instrumento coloca ali a sua personalidade”, comentou o vocalista.

O novo trabalho surge três anos depois do segundo EP, de 2016, e a demora – se é que pode se chamar assim – tem duas razões. Uma delas foram os percalços do cotidiano dos integrantes, que geraram o adiamento de alguns projetos. A outra é pela característica da banda mesmo. “A gente gosta de fazer as coisas com uma certa calma coisa, podendo se dedicar e com certeza do que está fazendo”, explicou Tiago.

A Mosaico Adulto tem dois EPs. A estreia foi em 2015, com o trabalho homônimo à banda, seguido de Novos Planos, em 2016. Dessa vez, o quarteto decidiu lançar os singles separadamente, antes que ficassem “velhos”, comentou Tiago. Foi ele quem compôs “Dez mil horas”, uma canção sobre o quanto alguém tem que se dedicar para se tornar bom em alguma coisa.

“Volta e meia aparece essa fórmula aí nas revistas. Pra tocar bateria bem tu tem que tocar dez mil horas… pra ser qualquer coisa bem tu tem que fazer dez mil horas… Eu tentei tratar isso de uma maneira poética do jeito que eu conseguia”, revelou o músico.

Produza você mesmo

As canções foram gravadas entre setembro e outubro de 2018. “Dez mil horas”, “Fernet” e “Longe” foram produzidas pela própria banda e mixadas pelo baterista André Cidral. “Os erros e acertos, talvez mais erros que acertos, são todos nossos”, contou Tiago. Todos os arranjos são da banda.

As gravações ocorreram em dois locais: no estúdio WeCanDo Music e na casa do produtor cultural Lauro Brandão. Durante uma viagem, ele emprestou a casa para a banda fazer a captação dos instrumentos. “Gravamos guitarra em um cômodo, baixo em outro, e foi bem interessante”, disse.

A ideia agora é fazer shows, lançar as próximas músicas e começar a compor coisas novas para, “quem sabe”, preencher um álbum cheio. “Acho que a banda já está em um momento que talvez precise de um trabalho de maior fôlego”, conjecturou Tiago.

Próximos shows

A Mosaico Adulto toca no dia 7 de abril, na Casa 97, na ocasião do show de estreia de Marcelo Rizatti. O guitarrista da banda Os Depira lançou um novo trabalho solo no fim de 2018 e agora sobe ao palco para mostrá-lo ao público. A história da canção Vagalume, baseada em um poema de Katherine Funke, foi contada pelo jornal O Mirante em dezembro do ano passado. A música homenageia um amigo em comum dos dois artistas, falecido em 2011.

Além da Mosaico Adulto, que toca em versão acústica nesta ocasião, a banda Teto de Vênus também vai tocar no evento, que tem início marcado para as 18 horas. A entrada vai custar R$ 10 e a Casa 97 fica na rua Arco-íris, 97, no bairro Iririú.

Outra oportunidade já marcada será no dia 17 de maio, em show no Bovary que vai reunir bandas já históricas da cidade, El Kabong e Fevereiro da Silva, além da própria Mosaico Adulto.

Ouça “Dez mil horas”

Texto: Felipe Silveira
Foto: Mosaico Adulto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *