Comunidade lota audiência sobre fechamento de escola em Araquari

Na noite de sexta-feira (4), estudantes, professores e pais se reuniram para discutir o fechamento da Escola de Educação Básica Prefeito Higino Aguiar, no bairro Itinga, em Araquari. Nas últimas férias escolares, o governo estadual fechou três unidades na região norte e abriu duas escolas novas. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte-SC) e as comunidades afetadas realizaram vários protestos e reuniões contra o fechamento das escolas.

O Sinte aponta que o fechamento das escolas e as transferências dos alunos estão sendo feitos sem diálogo e que perguntas dos pais, a respeito de segurança e transporte, estão sendo ignoradas. O sindicato também afirma que as novas unidades não estão prontas, com problemas na cozinha e em banheiros.

A Escola Higino Aguiar foi fechada por causa da nova escola no mesmo bairro, que homenageia o falecido senador Luiz Henrique da Silveira. A nova unidade é focada no Ensino Médio, mas vai receber estudantes que estão no sétimo período do Fundamental até o terceiro ano do Médio. De acordo com o governo, a escola vai receber 900 alunos e ajudar a acabar com o turno intermediário na região.

“Com essa mudança, os estudantes de oito turmas do sexto ano do ensino fundamental que estavam no turno intermediário da EEB Higino Aguiar passam a estudar na EEB Higino Aguiar nos períodos da manha e tarde. Além disso, a rede municipal de Araquari, que possui turno intermediário com os quintos anos do ensino fundamental, irá transferir seus estudantes para a EEB Higino Aguiar. A nova unidade, além de absorver novos estudantes, elimina o intermediário das duas redes”, diz a nota da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Joinville.

Em Joinville, o governo abriu a Escola de Ensino Médio Bailarina Liselott Trinks, no bairro Vila Nova, que passou a receber estudantes das escolas Maestro Francisco Manoel da Silva, no Vila Nova, e Ruben Roberto Schmidlin, no Morro do Meio. A primeira foi fechada e teve o prédio cedido à prefeitura de Joinville, que vai hospedar ali a Secretaria de Proteção Civil e Segurança Pública (Seprot). No caso da segunda, a escola já era municipal, mas recebia alunos do Ensino Médio, ofertado pelo governo do estado. Segundo a nota da ADR, ali os estudantes não tinham acesso à toda estrutura escolar, o que passaram a ter na nova escola.

Uma audiência conjunta com as três comunidades afetadas está marcada para esta terça-feira (8), às 19 horas, na Escola Municipal Ruben Roberto Schmidlin.

Texto: Felipe Silveira
Foto: Sinte Joinville

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *