Gabriela Xistel conquista a medalha de bronze no lançamento de martelo sub-18

Joinville é uma potência nacional no lançamento de martelo feminino, com quebra de recordes em todas as categorias. E, se depender da base, a cidade vai continuar a formar atletas de ponta na modalidade. Neste final de semana, Gabriela Xistel (à direita na foto) subiu no pódio do Campeonato Brasileiro Caixa de Atletismo Sub-18. Ela conquistou o terceiro lugar, ao lançar o objeto a 44,10 metros. O quarto lugar também ficou com a joinvilense Thalia André, que lançou o martelo a 43,51 metros.

O primeiro lugar ficou com a também catarinense Helida Letícia dos Reis, que defende a equipe AABLU, de Blumenau, com a expressiva marca de 52,67 metros. Tania Milena Ancelmo da Silva, da equipe Sogipa, do Rio Grande do Sul, ficou com a prata, ao lançar 45,77 metros.

Leia também: Atleta Joinvilense surpreende e conquista o ouro no salto em distância sub-18

Gabriela, no entanto, não ficou satisfeita com o resultado. “Não foi uma marca boa. Eu vim pra fazer mais de 50 metros, pois o meu melhor é 50,06”, disse a atleta. “Não consegui direito me concentrar. Eu podia ter vencido a prova, mas fiquei muito nervosa, deixei escapar a vitória entre os meus dedos”, lamentou.

A performance, considerada ruim pela competidora, também atrapalhou a seguinte, do lançamento de disco. Na etapa de qualificação, no dia anterior, ela estava em segundo lugar, com 39,86 metros, mas lançou o disco a 36,75 na etapa final, o que lhe valeu o quinto lugar na modalidade.

“Quando entrei na prova, minha mente já estava bloqueada. Não conseguia fazer certo os lançamentos. E então fiquei em quinto lugar, com 36,75. Sendo que a menina que ganhou fez 38 metros”, contou a joinvilense de apenas 17 anos.

A atleta Thalia André também ficou na quinta colocação no arremesso de peso.

Treinador das modalidades de arremesso e lançamento e presidente da equipe Corville/Sesporte/Rôgga/Suprema, Flavio Pscheidt disse que as colocações foram boas, mas também achou que as atletas poderiam ter feito marcas melhores.

“O resultado da Gabriela já era esperado, mas eu, como treinador dela, esperava que fizesse marcas melhores, tanto no lançamento do martelo como no lançamento do disco, onde ela perdeu uma grande oportunidade de sagra-se campeã. Mas são dessas situações adversas que o atleta tem que aprender com os erros e crescer”, disse o técnico.

No topo da modalidade

Joinville é a principal formadora de lançadoras de martelo do país. Quem diz isso é o próprio Flavio Pscheidt, que explica: “Formamos todas as recordistas brasileiras em todas as categorias, desde o mirim até a categoria adulta”.

Um dos destaques é Mariana Grasielly Marcelino, que venceu neste final de semana, pela primeira vez o campeonato sul-americano adulto, em Assunção, no Paraguai. Descoberta por Pscheidt, ela treinou em Joinville até se mudar para São Paulo. Hoje ela defende a equipe B3 Atletismo e detém o recorde brasileiro.

Samara Furtado também se destacou, mas no lançamento de disco. Já no lançamento de martelo, outra atleta de alto nível é Ana Lays Bayer, que conquistou a medalha de prata no último Sul-Americano de Atletismo Sub-20, disputado em Georgetown, na Guiana.

Além delas, Gabriela Xistel e Thalia André são promessas na modalidade. Tanto Ana Lays quanto Mariana já revelaram que desejam disputar a Olimpíada de Tóquio, em 2020.

Para Pscheidt, o nível brasileiro tem aumentado. “Nas provas de lançamentos e arremessos o nível europeu é muito forte. Porém, nesse seguimento o Brasil tem evoluído muito. E o trabalho realizado na nossa base é bastante forte. Sofremos um pouco com as condições de estrutura e materiais. Dizer que teremos uma joinvilense em Tóquio é precipitado, mas estamos trabalhando muito para que isso possa ser possível”, explicou o técnico.

Sem gaiola

Quem nunca viu uma prova de lançamento ou passou perto de uma pista de atletismo pode não saber o que é, mas a gaiola é um componente fundamental para as modalidades de lançamento. O problema é que a gaiola de Joinville está tão danificada que isso tem prejudicado o treinamento dos atletas da cidade.

Texto: Felipe Silveira
Foto: Wagner Carmo/Confederação Brasileira de Atletismo