Alesc vai criar comissão e mecanismo para fiscalizar obras paralisadas

A criação de uma comissão, envolvendo representantes da iniciativa privada, órgãos fiscalizadores e governo estadual, para analisar de quatro em quatro meses o andamento de obras paralisadas no estado e de um mecanismo de controle online pela Assembleia Legislativa foram os dois encaminhamentos da audiência pública realizada nesta segunda-feira (7), na Alesc. São mais de 120 obras em 66 municípios catarinenses.

O deputado Bruno Souza, autor da proposta, explicou que a audiência promovida pela Comissão de Finanças e Tributação ocorreu após a análise dos levantamentos das obras paralisadas em Santa Catarina realizados pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

“A nossa intenção foi dar um início a um debate para cobrar a execução destas obras e mostrar que as faltas de planejamento e de gestão contribuem para a estagnação da economia e desperdício de dinheiro público”, disse.

O secretário-executivo da Câmara de Transporte, Logística, Meio Ambiente e Sustentabilidade da Fiesc, Egídio Antônio Martorano, apresentou o site Monitora Fiesc, uma ferramenta que a entidade criou para acompanhar as obras de interesse do setor no estado. De acordo com ele, a falta de planejamento e de gestão resultam em desperdícios de dinheiro público, como os projetos para implantação de ferrovias no estado. “Nos últimos dez anos foram para o ralo R$ 23 milhões destinados somente a projetos para ferrovias que não saíram do papel”, revelou.

O secretário de Estado da Infraestrutura, Carlos Hassler, afirmou que até o final deste ano as prefeituras estarão recebendo recursos para conclusão de obras já iniciadas e que estavam paradas. “O governador Carlos Moisés determinou que priorizássemos a retomada de obras paradas. Vamos diminuir esse passivo deixado por gestões passadas”, disse.

O controlador-geral do governo do estado, Luiz Felipe Ferreira, enfatizou que levou um susto ao receber convite para a audiência pública após ler os números apresentados de obras paralisadas em Santa Catarina. Para ele, os números são maiores dos que foram apresentados e ultrapassam a 142 obras paradas há mais de 90 dias e que os valores chegariam a R$ 30 bilhões: “Ainda estamos num período de transição de governo e para colocar em dia essas obras serão necessários de um ano a um ano e meio.”


Edição: Felipe Silveira
Foto: Fábio Queiroz/Alesc
Informações: Alesc

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *