#SemanaVirginia promove empoderamento de mulheres na literatura

Com o objetivo de empoderar e difundir a escrita de autoria feminina, o Coletivo Virginia promove, de 16 a 19 de outubro, a primeira edição da Semana Virginia Woolf de Arte e Literatura, no Sesc Joinville e no Gajah Hostel. São mais de dez convidadas na programação, que procura valorizar o trabalho de escritoras, tradutoras, críticas literárias e acadêmicas, tendo como ponto de partida as obras da autora inglesa Virginia Woolf. A entrada é gratuita, sem necessidade de inscrição.

A #SemanaVirginia contempla experiências diversificadas, incluindo mesas de conversa, leituras dramática, intervenção literária em biblioteca, performance poética, confraternização com sarau de poesia e lançamentos de livros, distribuição de zine, e outras atrações.

Entre os nomes confirmados estão Luci Collin (foto), autora consagrada com 30 anos de carreira literária e 22 livros publicados, e Emanuela Siqueira, mestre em estudos literários, mediadora do Leia Mulheres Curitiba e tradutora do livro “A Leitora Incomum”, da Woolf. Ambas residem em Curitiba (PR).

“A ideia da #SemanaVirginia é ressaltar pautas temáticas que não são abordadas em outros encontros de caráter literário da região e também dialogar com outros coletivos e instituições feministas existentes em Joinville”, explica Katherine Funke, idealizadora do coletivo que é escritora, editora de livros e mestre e doutoranda em Literatura.

Confira aqui a programação da #SemanaVirginia.

O coletivo

Criado em janeiro, o Coletivo Virginia, de Joinville, é um grupo que procura realizar ações de produção, leitura e circulação da escrita feita por mulheres. A escolha pela escritora inglesa Virginia Woolf se deve à influência da autora na literatura mundial e pela defesa dos direitos das mulheres através de sua produção literária.

Integram o grupo as seguintes “virginias”: Katherine Funke, Anna Letícia Carvalho, Flávia Esteves, Gabriela Carvalho, Helena Hübner, Liane Dani, Luciana Trindade, Marcela Güther, Michelli Catarina e Stella Bousfield.

As atividades do Coletivo Virginia e da #SemanaVirginia podem ser acompanhadas nos canais de comunicação do grupo: Medium, Instagram e Facebook.

Convidadas e mediadoras

Emanuela Siqueira
Mestre em Letras (UFPR), com uma pesquisa sobre Elise Cowen, poeta da geração beatnik que ela se dedica a traduzir. Traduziu o livro de Virginia Woolf “A Leitora Incomum” (Ed. Arte & Letra). É mediadora do Leia Mulheres Curitiba e colaboradora de diversos portais de crítica de cinema e literatura, sempre focando em produções feitas por mulheres.

Luci Collin
Professora doutora em Letras na UFPR e autora de diversos livros de poesia e contos. Foi pianista profissional e depois se dedicou à escrita. Tem 22 livros publicados. Ao longo de mais de 30 anos de carreira, escreveu artigos e ensaios para diversos jornais e revistas literárias, participou de antologias nacionais e internacionais, e recebeu prêmios de concursos de literatura no Brasil e nos EUA. Representou o Brasil no Projeto Literário no EXPO 2000 em Hannover, Alemanha. Também traduziu autores como Gary Snyder, Gertrude Stein, E. E. Cummings, Eiléan Ní Chuilleanáin, Vachel Lindsay, Jerome Rothenberg e Moya Cannon, entre outros.

Katherine Funke (mediação)
Integrante do Coletivo Virginia, é mestre e doutoranda em Literatura. Fundadora da Editora Micronotas e autora de seis livros de poesia, prosa e jornalismo literário.

Ana Paula Chaves Nunes
Advogada e ativista feminista e nas questões raciais. Pós-Graduada em direito penal e processo penal pela Escola do Ministério Público de Santa Catarina. Ex-Presidenta da União Brasileira de Mulheres (UBM) de Joinville, membro do Instituto em Defesa da Igualdade de Gênero. Conselheira do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM), de Joinville. Atua nas áreas do direito civil, penal, administrativo, família, direitos sexuais, reprodutivos, maternidade e étnicos raciais.

Cynthia Maria Pinto da Luz
Advogada, formada em 1983 pela Univali. Advogada do Centro dos Direitos Humanos Maria da Graça Braz, de Joinville. Presidente do Conselho Carcerário de Joinville e do Conselho Estadual de Direitos Humanos.

Luciana Trindade (mediadora)
Integrante do Coletivo Virginia, é graduada em Letras Português/Francês pela UFPR. Atualmente trabalha como técnica em administração e controle na Petrobras, em Itajaí (SC), mas mantém o profundo contato com o Leia Mulheres Joinville e integra o coletivo desde sua fundação.

Rafaela Machado
Formada em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e pós-graduada em Gestão de Projetos. Profissionalmente atua como desenvolvedora de sistemas na Operand. Além disso, faz parte e organiza comunidades que incentivam mulheres interessadas ou que já atuam em tecnologia, como, por exemplo, o Mulheres de Produto e Rails Girls, e atua como mentora em diversas oficinas do ramo.

Gabriela Carvalho (mediadora)
Formada em Letras pela Univille e mestra em Literatura pela UFSC, atuou como docente universitária, lecionando disciplinas relacionadas à comunicação, linguagem e expressão. Seu interesse de pesquisa é relacionado à arte da palavra como potência poética e provocadora de sentidos.

Patrícia Claudine Hoffmann
Graduada em Letras pela Univille, tornou-se professora efetiva da Rede Estadual de SC, onde leciona Língua Portuguesa e Literatura. É autora dos livros de poesia “Água Confessa”, “Sete Silêncios”, “Matadouro Imperfeito”, “Feito Vértebras de Colibris” e do e-book “O Livro de Isólithus”. Mantém o blog www.espoliodosol.blogspot.com, as fanpages “Espólio do Sol” e “Matadouro Imperfeito”. Integra antologias e tem poemas publicados em revistas digitais.

Rafaela Desiderato
Nascida em Assis (SP), desde pequena rascunha poesias e escritos breves, tornando-se amante dos livros e da leitura. Cursou Biblioteconomia na UEL/PR, fez pós-graduação em teoria da literatura e produção de textos. Em 2017, lançou “Claraboia”, seu primeiro livro de poesias. Em 2019, “O sono dos peixes” foi publicado pela editora Patuá.

Maria Cecilia Takayama Koerich
Mestre em Educação pela UFSC e pedagoga formada nesta mesma instituição, já foi professora, orientadora educacional, coordenadora de práticas grupais e atualmente é técnica em referência no Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) em Joinville. Acredita na capacidade revolucionária da palavra, tendo a escrevivência de Conceição Evaristo como signo. Lançou seu primeiro livro de poesias chamado “3 e 15: madrugada” e, neste semestre, lança seu segundo livro “Pedra, poro, pele”, também pela Editora Micronotas.

Isa Amorim
Nascida em Maceió (AL), veio pra Joinville com a mãe a irmã e muita poesia no bolso. Escritora de “Dose” (Editora Micronotas) e palestrante nas horas vagas, Isa também é uma das organizadores do Slam Joinville, movimento de poesia mundial que acontece todo o último domingo do mês na cidade.


Edição: Felipe Silveira
Foto: Divulgação
Informações: Coletivo Virginia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *