Vereadores querem CPI sobre obras do Rio Mathias

Os vereadores das comissões de Cidadania e de Urbanismo discutiram, na noite de quarta-feira (7), o atraso das obras de macrodrenagem do Rio Mathias. Seis vereadores do bloco de oposição pedem a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o caso e precisam de mais uma assinatura para conseguir.

A Comissão de Cidadania aprovou a convocação do secretário de Administração e Planejamento, Miguel Bortolini, para prestar esclarecimentos sobre a obra. Ele deverá comparecer à próxima reunião da comissão, no dia 21 de agosto, às 14 horas, no Plenarinho da Câmara. Ele foi convidado para a reunião de quarta, mas não compareceu, justificando em ofício que a gestão contratual é responsabilidade da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) e não da SAP.

Segundo o presidente da comissão, Odir Nunes (PSDB), seis vereadores assinaram um requerimento para criação da CPI. No decorrer da reunião, ele pediu aos vereadores presentes que não assinaram o requerimento que o fizessem. De acordo com o Regimento Interno da Câmara de Joinville, o requerimento de formação de CPI deve se assinado por, no mínimo, um terço dos membros da Câmara de Vereadores, ou seja, sete vereadores.

A Seinfra também foi convidada para a reunião, e quem compareceu foi o diretor-executivo, Thalles Vieira. Na reunião, ele afirmou que “o problema está no não cumprimento do prazo, mas a obra está sendo bem executada”. De acordo com levantamento do gabinete do vereador Ninfo Konig (PSB), já se passaram 64 meses desde a assinatura do contrato. O prazo previsto para execução da obra era de 24 meses.

Representantes da empresa que fez o projeto e da empresa que está executando a obra estavam na reunião e discordaram sobre a exequibilidade da obra. De acordo com Edu José Franco, sócio da empresa Parallela, que fez o projeto, elas custariam em torno de R$ 66 milhões.

A empresa contratada para executar a obra venceu a licitação por R$ 49 milhões, o que, segundo ele, tornaria a obra inexequível. “Como observador externo, acredito que a empresa contratada não tem condições de fazer pelo preço do contrato, pois é insuficiente, se torna inexequível”, disse.

Já Márcio Luiz Martins, sócio da empreiteira Motta Júnior, contratada para a execução das obras, afirmou que o preço é 29,9% do orçado, estando, portanto, dentro da lei, segundo ele. “O preço é exequível, é um preço bom, mas consciente”, afirmou.

Diversos comerciantes, moradores da região central da cidade e munícipes reclamaram das obras. De acordo com morador e comerciante Maurício Sato, chegaram a surgir animais mortos na área das obras. O comerciante reclamou também da falta de mobilidade que as obras causam. “Nossos colaboradores não conseguem chegar ao trabalho”, disse.

O pedido e as assinaturas

Assinaram o requerimento de CPI seis vereadores do bloco de oposição: Iracema do Retalho (PSB), Maurício Peixer (PL), Ninfo König (PSB), Odir Nunes (PSDB), Rodrigo Fachini (MDB) e Tânia Larson (SD). A imagem abaixo foi divulgada pelo vereador Ninfo:


Edição: Felipe Silveira
Foto: Mauro Arthur Schlieck/CVJ
Informações: Divisão de Jornalismo da CVJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *