Comissão de Urbanismo visita obras da nova ETE Jarivatuba

Os vereadores da Comissão de Urbanismo da Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ) visitaram as obras da nova Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Jarivatuba na manhã desta terça-feira (21). A visita foi motivada pela reclamação de moradores sobre o mau cheiro na região em reunião realizada na Câmara no dia 14 de maio.

Na ocasião, a presidente da Companhia Águas de Joinville (CAJ), Luana Pretto, afirmou que o mau cheiro vai acabar com a entrega da nova ETE em outubro. Na visita, os vereadores e membros da comunidade puderam conhecer como será o novo sistema de tratamento do esgoto.

O presidente do Conselho de Segurança (Conseg) do Paranaguamirim, Udson José Vieira, que levou as reclamações dos moradores para a comissão, afirmou que espera que a nova estação realmente acabe com o problema e disse que a comunidade está esperançosa com a “modernidade do novo sistema”.

Segundo Luana, a nova ETE terá o sistema de lodo ativado, já utilizado em Blumenau e Jaraguá do Sul, que conta com oxigenação e bactérias aeróbias para que não haja a produção de odor. Entretanto, de acordo com a presidente da CAJ, a ETE de Joinville será mais moderna, pois tem a diferença de que a entrada do material para a estação de tratamento será por um canal encapsulado, o que não permitirá que o odor se dissipe pelo ambiente antes do tratamento.

Atualmente, a ETE do Jarivatuba conta apenas com lagoas de estabilização de bactérias anaeróbias, sistema de tratamento de esgoto que emite gás metano, o que causa o mau cheiro. A nova estação de tratamento está sendo construída próxima às lagoas de estabilização em funcionamento e conta com quatro reatores de tratamento.

Segundo Luana, o novo sistema de tratamento já é muito usado em outros países da América Latina, como Chile e Argentina, mas, no Brasil, será o segundo, já que o país tem apenas uma ETE desse modelo já em funcionamento, no Mato Grosso de Sul.


Edição: Felipe Silveira
Foto: Mauro Arthur Schlieck/CVJ
Informações: Divisão de Jornalismo da CVJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *