Polícia Montada se oferece para recolher cavalos abandonados

O comandante do Esquadrão de Polícia Montada da Polícia Militar, Eduardo Silveira de Oliveira Pires, esteve na Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ) nesta quarta-feira (3) para apresentar uma proposta ao poder público. Na Tribuna Livre da sessão ordinária, um espaço concedido à fala de munícipes previamente inscritos, ele sugeriu que a corporação fique responsável por acolher, cuidar e achar um novo lar para cavalos abandonados mediante. A proposta é que o município pague pelo serviço.

Medida similar foi tomada em São José, na Grande Florianópolis. A Prefeitura paga à Cavalaria da PM daquele município para recolher e manter os animais. O convênio, que custa R$ 8,5 mil por mês naquela cidade, já garantiu o recolhimento de 110 animais.

O abandono de animais equestres pode se tornar um problema em Joinville. Resta cerca de um ano e meio para que entre em vigor, definitivamente, a proibição do uso de animais de tração para recolhimento de materiais para reciclagem (LC 496/2018).

Vários parlamentares manifestaram apoio à proposta, entre eles a vereadora Ana Rita Negrini Hermes (Pros), que propôs a proibição gradual do uso de tração animal para transporte de material reciclável, hoje lei. Também ligada à causa animal, a vereadora Tânia Larson (SD), também manifestou-se favoravelmente à sugestão do comandante.

Outros vereadores que apoiarem a proposta foram o presidente da Casa, Claudio Aragão, Rodrigo Fachini, Mauricinho Soares (os três do MDB), James Schroeder (PDT), Maurício Peixer (PR) e Ninfo König e Iracema Bento (ambos do PSB).

O comandante ainda mencionou que parte do valor poderia facilitar a implantação de um centro de equoterapia pretendido pela cavalaria. Eduardo explicou que a ideia de um centro como esse é atender pessoas com transtornos como autismo, por meio do contato com animais. A cavalaria conta com 60 mil m² em área do bairro Petrópolis, onde há 31 cavalos utilizados pelos policiais.

Edição: Felipe Silveira
Foto: Mauro Arthur Schlieck/CVJ
Informações: Divisão de Jornalismo da CVJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *