Marielle Franco será homenageada na manifestação nacional do 8M

A sigla 8M é alusiva a 8 de março, o Dia Internacional da Mulher, e marca a luta feminista contra o machismo em todo o mundo. Nesta sexta-feira (8), elas vão às ruas do país para lutar por direitos e pela própria vida. Em Joinville, o ato começa às 16 horas, na praça da Estação Ferroviária. A concentração para a marcha será por volta das 18h30.

Nesta edição, o 8M faz uma homenagem à Marielle Franco, liderança negra e feminista do Rio de Janeiro que ocupava o cargo de vereadora pelo PSOL quando foi assassinada, no dia 14 de março de 2018, há quase um ano. Seu motorista, Anderson Gomes, também foi assassinado na mesma emboscada. Por isso, a manifestação também está sendo chamada de 8Marielle.

“O dia 8 de março é marcado por muita luta, muita resistência das mulheres e muito sangue derramado. Acompanhando o movimento nacional, 8Marielle, estamos cobrando respostas do poder público sobre quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes”, explicou Sara Silva, que integra o Fórum de Mulheres de Joinville, que organiza o evento com a participação de diversos movimentos sociais e políticos da cidade.

Ela também explicou que em Joinville será dada atenção para a questão da reforma da previdência. “As mulheres trabalhadoras serão as mais afetadas com essa reforma”, afirmou Sara. Também serão abordadas questões como o aumento de feminicídios e assédio.

“Queremos convidar todas as companheiras a virem compartilhar suas vidas de luta e dificuldade, conversar sobre a reforma da previdência e como ela nos afeta, a entender as necessidades de outras mulheres e trocar experiências”, diz o texto no evento do Facebook.

Ao longo do dia serão realizadas diversas atividades, como intervenções artísticas e rodas de conversa sobre assédio, reforma da previdência e saúde mental. A organização é do Fórum de Mulheres de Joinville, com participação de diversos movimentos sociais e políticos da cidade.

A atividade é aberta para homens. “Nosso convite se estende aos companheiros, que os homens possam vir aprender e entender nossa história. Todas e todos são bem-vindos”, registra o texto da organização.

Para Sara, é urgente, mais do que nunca, tratar das questões das mulheres em Joinville. “Estamos numa cidade e num estado que votou em peso em propostas machistas, homofóbicas, retrógradas, contra a educação e contra os trabalhadores e nesse sentido, tanto no âmbito federal quanto no estadual, é urgentíssimo falar sobre as pautas das mulheres”, explicou.

Coletivo lança zine no 8M

O primeiro zine do Coletivo Virginia vai circular durante as ações do 8M. A edição traz resenhas de livros escritos por mulheres, colagem, uma breve apresentação do coletivo e da escritora inglesa Virginia Woolf. Publicação colaborativa e dobrada a muitas mãos, o zine é para ser colecionado  e servir de inspiração para outras leituras.

Texto: Felipe Silveira
Foto: Página Marielle Franco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *