Chapa 1 busca quarto mandato à frente do Sinsej

Nos dias 14 e 15 de março, será escolhida a direção do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região (Sinsej) para os próximos dois anos. Na disputa pelo voto dos servidores, o atual grupo, que está no terceiro mandato, reunido na Chapa 1 – Unidade, Organização e Luta, presidida por Ulrich Beathalter. Para tentar interromper a hegemonia, tem a Chapa 2 – Servidor em Luta, presidida por Jane Becker, e a Chapa 3 – Novo Sinsej, presidida por Leonardo Samuel de Oliveira Vaz. A partir desta quarta-feira (20), O Mirante apresentará as três chapas, começando pela Chapa 1.

Desde 2010 à frente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região (Sinsej), o grupo que forma a Chapa 1 – Unidade, Organização e Luta, busca seu quarto mandato na diretoria da entidade. Tendo Ulrich Beathalter mais uma vez como candidato a presidente, a chapa, que contém 52 integrantes, deixa bem claro seu posicionamento político de esquerda e faz disso uma das marcas da gestão.

O grupo busca a continuidade do trabalho para “avançar ainda mais na recuperação de todas as perdas anteriores à atual gestão”, falando em questões como fim do assédio moral, garantia de concurso público e fim das ameaças de privatização. “Muito se conquistou desde 2010. Interrupção das perdas salariais, melhorias nos PCCS, novas gratificações, vale alimentação”, argumenta Beathalter.

Até aqui, a atual gestão promoveu dez greves gerais dos servidores públicos em Joinville, sendo a maior delas em 2011, no governo Carlito Merss, com 40 dias de paralisação. Outras quatro paradas setoriais também foram organizadas.

Para contextualizar os desafios que a chapa pretende enfrentar, Beathalter fala do cenário nacional, citando reforma trabalhista, a proposta de reforma da previdência e a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que congelou os gastos públicos por 20 anos, aprovada no governo do ex-presidente Michel Temer. “Acreditamos que o próximo período será dos mais difíceis para a classe trabalhadora brasileira”, projeta o candidato, falando em desafios e ataques ao serviço público e aos direitos de todos os trabalhadores.

Sobre o fato de ser de esquerda, Beathalter, que, assim como outros integrantes, é ligado à organização política Esquerda Marxista, afirma que a atual gestão nunca escondeu sua ideologia e sua orientação política.

“Para nós, ela é essencial e se traduz na prática de defesa incondicional dos interesses da classe trabalhadora. Todos os discursos de apartidarismo ou de combate aos ideais de esquerda escondem, na verdade, ideologias político-partidárias. Ninguém é totalmente independente politicamente. Todos somos orientados por algum ideal filosófico ou político”, diz o candidato.

Texto: Alexandre Perger
Foto: Sinsej

3 comentários em “Chapa 1 busca quarto mandato à frente do Sinsej

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *