Perdigão recolhe 23 lotes de frango com suspeita de salmonela

A Diretoria de Vigilância Sanitária de Santa Catarina (DIVS) informa que a empresa BRF S.A., unidade de Dourados (MS), comunicou o recolhimento voluntário de cinco tipos de cortes da marca Perdigão em 23 lotes de produtos pela suspeita de contaminação por Salmonella enteritidis. Cortes de coxas e sobrecoxas sem osso, meio peito sem osso e sem pele, filezinhos de frango, filé de peito e coração estão entre os itens recolhidos.

O problema foi identificado pelo controle de qualidade da própria empresa, que fez o comunicado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. A Anvisa publicou nesta quinta-feira (14), a RESOLUÇÃO Nº 389, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2019 (DOU de 14/02/2019) que proíbe a distribuição e comercialização, em todo o território nacional, dos lotes dos produtos listados abaixo:

Uma pessoa que se infecta com a bactéria pode apresentar febre, cólicas abdominais e episódios de diarreia em um prazo de 12 a 72 horas após o consumo do alimento contaminado. A doença dura de 4 a 7 dias e muitos pacientes se recuperam sem a necessidade de tomar antibióticos. Entretanto, quando a diarreia é severa, a hospitalização e uso de antibióticos podem ser necessários.

Crianças, gestantes, idosos e imunocomprometidos podem apresentar formas graves da doença, com infecção que pode passar do intestino para a corrente sanguínea ou para outros órgãos do corpo, podendo causar óbito se não tratada prontamente.

A Diretoria de Vigilância Sanitária (DIVS/SES) orienta os consumidores a não consumirem os produtos dos lotes citados caso possuam em casa. Pessoas que estão com sintomas devem procurar imediatamente ajuda médica.

A bactéria Salmonella enteritidis é eliminada quando o alimento é cozido, frito ou assado corretamente. Por isso, é importante o cuidado com o cozimento correto da carne de frango.

A DIVS também orienta os distribuidores e comerciantes a retirar das gôndolas os produtos listados acima a fim de evitar o comércio e entrem em contato com a BRF (SIF 18) para o recolhimento dos itens.

Confira os lotes suspeitos

Edição: Felipe Silveira
Foto: Arquivo BRF

Informações: Governo de SC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *