Moradores do Jardim Paraíso protestam contra estigmatização do bairro

Crianças jogam bola no campinho do bairro
enquanto rola atividade cultural – Foto de Lucas Borba

Não é de hoje que o bairro Jardim Paraíso é tratado com preconceito na mídia. Volta e meia a localidade é estigmatizada como perigosa e violenta, como fez recentemente o jornal Notícias do Dia, ligado ao Grupo RIC, que comparou o bairro à “Faixa de Gaza”. A comunidade, que luta há anos contra a estigmatização, não deixou barato. Os moradores publicaram uma carta sobre o assunto, cobram uma retratação e afirmam que vão entrar com uma ação judicial contra o jornal.

Print com o texto original no site do jornal Notícias do Dia

Em matéria publicada no dia 6 de janeiro (veja imagem ao lado), sobre um homem baleado no bairro, o jornal afirmou que “a localidade é uma das mais perigosas da cidade, em decorrência à disputa de facções criminosas pelo território de drogas, comparada faixa de Gaza”. Após manifestações, o texto foi editado no dia seguinte, 7 de janeiro, e foi retirada a referência ao território em conflito no Oriente Médio.

Curiosamente, o próprio Notícias do Dia, quando tinha uma redação em Joinville, fez uma matéria contra a estigmatização do bairro. Em fevereiro de 2016, a matéria “Moradores revelam porque o bairro Jardim Paraíso é o seu paraíso muito particular” mostrava depoimentos de moradores sobre as qualidades do bairro.

Além da atual matéria, a correção sem retratação incomodou ainda mais os moradores, que se mobilizaram. Foi realizada, no dia 17 de janeiro, uma reunião do Conselho Comunitário do Jardim Paraíso, na Associação de Moradores do Canto do Rio. Na chamada, os moradores falavam em discutir estratégias e ações positivas para mostrar que a comunidade é formada por trabalhadoras e trabalhadores que querem uma sociedade melhor.

Eles decidiram, então, publicar uma carta aberta da comunidade para as autoridades e para a imprensa; usar a Palavra Livre na Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ); cobrar uma retratação do jornal Notícias do Dia; entrar com uma ação judicial e fazer uma campanha chamada #emdefesadonossobairro, com vídeos e fotos de coisas positivas do bairro.

Os moradores ainda planejam como realizar as ações, além da carta já publicada, que pode ser lida abaixo. Quanto à judicialização de matérias, eles vão consultar advogados para analisar as possibilidades. A campanha também está em fase de planejamento. Leia a carta do Conselho Comunitário a seguir:

Carta Aberta do Conselho Comunitário do Jardim Paraíso

O Conselho Comunitário do Jardim Paraíso existe desde o ano de 2005 e reúne moradores e representantes dos diversos segmentos da sociedade com o objetivo de atentarmos para as situações tanto positivas como negativas da comunidade. Os encaminhamentos deste Conselho sempre visam estratégias e ações que possam de maneira coletiva e plural defender, fiscalizar, denunciar e reivindicar os direitos constitucionais assegurados na Constituição Federal Brasileira de 1988.

A inquietação da comunidade ao viver situações de violações de direitos foi o que impulsionou a formação do Conselho. O Jardim Paraíso foi e é marcado por situações de violência e não foge a regra de nenhuma outra região da cidade, no entanto, de tempos em tempos é alvo de um jornalismo raso que massacra a região com noticiários incompletos, apelativos e na maioria das vezes mentirosos. A consequência da irresponsabilidade desta mídia é a geração de estigmas e preconceitos que prejudicam e constrangem toda a população do bairro que na maioria é composta por trabalhadores,trabalhadoras e estudantes.

Recentemente foi produzido um texto comparando o Jardim Paraíso com áreas de conflito no Oriente Médio, classificando a comunidade como Faixa de Gaza. Após algumas reclamações o texto foi alterado, porém, sem nenhuma retratação.

A mídia brasileira e especialmente o Jornalismo deveriam ter o papel de informar e observar a comunicação como uma função social de utilidade pública, no entanto, sabemos que sempre serviu e serve para gerar lucro e vender propaganda. Assim, alimenta-se do espetáculo e do sensacionalismo para manter seu poder a qualquer custo. Neste sentido é sempre necessário ter “um lugar” para alimentar o padrão nacional do Jornalismo Policial que massivamente expõe seja pelo telejornal, jornal digital ou impresso a sociedade em cenas repetidas de violência, sem jamais questionar a raiz causadora de tanto caos.

– Considerando esta questão viemos em nome da comunidade exigir uma errata, retratação que tenha o mesmo alcance e tamanho mostrando como é nosso bairro, quem somos e quantas lutas travamos para viver de maneira
honesta.

– Considerando que é algo recorrente para a comunidade e que prejudica avida de todas as pessoas que vivem no Jardim Paraíso, vamos judicializar matérias enganosas e investir a causa ganha no próprio bairro.

– Considerando a gravidade da falta de responsabilidade do Jornalismo joinvilense vamos encaminhar esta carta para todas as instâncias possíveis:

O Conselho se reúne mensalmente ou sempre que existe uma demanda pertinente para discussão e que precisa ser encaminhada para os órgãos públicos.

Qualquer dúvida sobre nossa comunidade estamos a disposição para esclarecer, pois, quem pode falar de nós, somos nós.

“A sociedade que aceita qualquer jornalismo, não merece jornalismo melhor.” (Alberto Diniz)

Joinville, 21 de janeiro de 2019.

Texto: Felipe Silveira
Foto: Cedida por Lucas Borba

Um comentário em “Moradores do Jardim Paraíso protestam contra estigmatização do bairro

  • 25 de Janeiro de 2019 at 25 de Janeiro de 2019
    Permalink

    Parabéns pelo apoio!!! Administro a pagina no Facebook @ReclameJoinville, sou membro do CLS, Conseg e do Conselho Comunitário citado na noticia. Venho em nome de todos nós, marginalizados, pelo simples fato de viver aqui, trabalhar, pagar os impostos e educar nossos filhos. Que mal fizemos ao restante da população? Mas mesmo assim quando é para generalizadamente nos denigrir, ninguém usa do bom senso e nos tratam com preconceito e nos julgam/condenam com tal autoridade no assunto que chega a doer na alma, quando se nota que não só de nos adultos, mas a ofensa denigre nossos filhos inocentes desde o berço. Enfim, obrigado pela atenção dada a nossa comunidade e tens um amigo aqui.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *